Porto Alegre, quarta-feira, 09 de dezembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 09 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 17h56min, 09/12/2020.

Ministério da Saúde pretende tirar população carcerária da prioridade para vacina

A ideia foi apresentada pela pasta em reunião técnica com representantes de Estados e municípios

A ideia foi apresentada pela pasta em reunião técnica com representantes de Estados e municípios


MARCELLO CASAL JR/AGÊNCIA BRASIL/JC
O Ministério da Saúde avalia retirar a população carcerária da lista de grupos prioritários para vacinação contra a Covid-19. A ideia foi apresentada pela pasta em reunião técnica com representantes de Estados e municípios.
O Ministério da Saúde avalia retirar a população carcerária da lista de grupos prioritários para vacinação contra a Covid-19. A ideia foi apresentada pela pasta em reunião técnica com representantes de Estados e municípios.
A justificativa apresentada por auxiliares do ministro Eduardo Pazuello é que esse público seria principalmente de jovens. A informação foi publicada pelo Globo e confirmada pelo Estadão.
Em esboço de plano nacional de imunização, divulgado na semana passada, o Ministério da Saúde prevê começar a vacinar a população em março. Idosos com 75 anos ou mais, profissionais de saúde e indígenas serão os primeiros a receber as doses, estima a pasta.
A população carcerária, de acordo com a previsão, seria vacinada na quarta fase do plano nacional, junto de professores, forças de segurança e salvamento e funcionários do sistema prisional. Ao todo, o ministério espera imunizar 109,5 milhões de pessoas em 2021, em duas doses.
Em documento interno do ministério obtido pelo Estadão, a Saúde estimava o número de presos que poderia receber a vacina em cerca de 500 mil.
Procurado, o ministério ainda não se manifestou sobre o tema.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO