Porto Alegre, terça-feira, 24 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 24 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Violência

- Publicada em 19h19min, 24/11/2020. Atualizada em 21h26min, 24/11/2020.

Polícia prende fiscal do Carrefour por participação no assassinato de Beto Freitas

A prisão preventiva da fiscal Adriana Alves Dutra ocorreu na tarde desta terça-feira (24)

A prisão preventiva da fiscal Adriana Alves Dutra ocorreu na tarde desta terça-feira (24)


/REPRODUÇÃO/JC
A Polícia Civil prendeu mais uma pessoa ligada à morte de João Alberto Freitas - conhecido como Beto -, 40 anos, espancado até a morte no Carrefour, em Porto Alegre. A prisão preventiva da fiscal Adriana Alves Dutra ocorreu na tarde desta terça-feira (24). É ela quem aparece na filmagem vestindo uma blusa branca ao lado dos agressores.
A Polícia Civil prendeu mais uma pessoa ligada à morte de João Alberto Freitas - conhecido como Beto -, 40 anos, espancado até a morte no Carrefour, em Porto Alegre. A prisão preventiva da fiscal Adriana Alves Dutra ocorreu na tarde desta terça-feira (24). É ela quem aparece na filmagem vestindo uma blusa branca ao lado dos agressores.
"Foi verificada a participação decisiva dela, porque depois se verificou que ela tinha posição de comando. A lei contempla como coautora a pessoa que tem poder de evitar e não o fez", disse a delegada Vanessa Pitrez, do Departamento de Homicídios.
Adriana se apresentou à Polícia. Segundo a delegada, Adriana pode ser presa porque é eleitora de um município onde não haverá eleição no próximo domingo.
Esta é a terceira prisão do caso. Os dois seguranças terceirizados do Carrefour, da empresa Grupo Vector, foram presos em flagrante após a morte. A Justiça converteu a prisão de ambos em prisão preventiva. Os dois investigados, que vem sendo identificados como seguranças, cumpriam a função de fiscais no supermercado.
Adriana é investigada por homicídio doloso triplamente qualificado. Inicialmente, ela não foi localizada em sua residência. Foi informada por telefone, por meio de sua defesa, do mandado de prisão expedido e se apresentou à polícia. Prestou depoimento e relatou episódios anteriores de conflito com Beto Freitas no Carrefour. A polícia investiga se de fato há incidentes anteriores.
Os policiais também apuram se a funcionária mentiu no depoimento dado no mesmo dia da morte de Beto Freitas. O depoimento foi tomado como parte do auto de prisão em flagrante dos seguranças. Ela disse que um cliente tentou apaziguar a agressão. O suposto cliente, porém, era o funcionário temporário Giovane Gaspar da Silva, policial temporário que estava em seu primeiro dia de "bico" no mercado.
A fiscal pode responder, entre outros crimes, por falso testemunho, se ficar comprovado ao final do inquérito que ela mentiu. A delegada Roberta Bertoldo disse que investiga a possibilidade de falso testemunho, além de omissão de socorro e racismo.
Adriana Alves Dutra disse também que Beto teria empurrado uma cliente dentro da loja, o que não ficou comprovado até o momento com as imagens das câmeras internas do mercado.
Em novo depoimento, na tarde em que se entregou à polícia, Adriana disse que falou que o funcionário era cliente do local, pois havia retornado há pouco de férias e não sabia que ele trabalhava no supermercado.
Um motoboy que filmou as agressões disse que a fiscal do Carrefour feriu a própria mão, afirmando que Beto havia cortado seu dedo. "Ela pegou a unha dela e começou a forçar no dedo. Não tinha machucado, eu olhei bem. Me chamou atenção ela tentar machucar a própria mão", disse.
A reportagem obteve depoimento de outra funcionária que também apresenta indícios de contradições. No depoimento, a mulher afirma que Beto a teria "encarado". Depois, que ele a teria intimidado com "olhar agressivo" e, por fim, que teria dito algo que ela não entendeu porque ele usava máscara no momento.
A funcionária disse que, então, se afastou e ele teria feito um sinal que ela não soube interpretar. Em imagens obtidas pela reportagem, ele parece estar sinalizando com o polegar para baixo.
Perguntada pela polícia se o gesto foi ofensivo, ela disse que não. Entretanto, quando questionada sobre por que Beto foi acompanhado pelos seguranças até a saída, diz supor que foi porque ele a teria importunado.
Os seguranças optaram por não dar depoimento à polícia após serem presos em flagrante, recorrendo ao direito constitucional de permanecerem em silêncio. A Justiça decretou a prisão preventiva de ambos.
Beto Freitas foi velado e sepultado no último sábado (21) no cemitério São João, em Porto Alegre, sob pedidos de justiça e fim do racismo.
Comentários CORRIGIR TEXTO