Porto Alegre, domingo, 22 de novembro de 2020.
Dia do Músico.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 22 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Energia Elétrica

- Publicada em 17h10min, 22/11/2020.

Ministério reconhece estado de calamidade pública no Amapá

Trabalhadores tentam restabelecer o fornecimento de energia na subestação de Laranjal do Jari, no interior do Amapá

Trabalhadores tentam restabelecer o fornecimento de energia na subestação de Laranjal do Jari, no interior do Amapá


Ministério de Minas e Energia/Divulgação/JC
O Ministério do Desenvolvimento Regional publicou portaria em que reconhece o estado de calamidade pública no Amapá. No dia 3 de novembro, um incêndio no transformador de uma subestação de energia deixou 14 das 16 cidades do estado sem luz. Foram mais de 80 horas sem energia elétrica e atualmente a população continua com o fornecimento limitado, em sistema de rodízio.
O Ministério do Desenvolvimento Regional publicou portaria em que reconhece o estado de calamidade pública no Amapá. No dia 3 de novembro, um incêndio no transformador de uma subestação de energia deixou 14 das 16 cidades do estado sem luz. Foram mais de 80 horas sem energia elétrica e atualmente a população continua com o fornecimento limitado, em sistema de rodízio.
Em portaria publicada no sábado (21) no Diário Oficial da União, o secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, Alexandre Lucas Alves, reconhece "por procedimento sumário, o estado de calamidade pública na área do território do estado do Amapá, afetada pelo desastre".
O Amapá já estava em estado de emergência quando foram repassados R$ 21,5 milhões ao estado para o aluguel de geradores e a compra de combustível.
Na prática, não há diferença entre estado de emergência ou calamidade. Mas o estado de calamidade dá mais segurança jurídica e permite ao governo federal antecipar pagamentos de aposentadorias e benefícios assistenciais como Benefício de Prestação Continuada (BPC) e Bolsa Família.
Segundo o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, a carga completa poderá voltar ao normal até 26 de novembro.
Comentários CORRIGIR TEXTO