Porto Alegre, domingo, 22 de novembro de 2020.
Dia do Músico.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 22 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

VIOLÊNCIA

- Publicada em 17h20min, 21/11/2020. Atualizada em 19h46min, 22/11/2020.

Ambev cobra Carrefour por morte em unidade de Porto Alegre

Vítima foi espancada por dois homens brancos que integravam a equipe de segurança do Carrefour

Vítima foi espancada por dois homens brancos que integravam a equipe de segurança do Carrefour


JOYCE ROCHA/JC
A fabricante de bebidas Ambev publicou em sua conta oficial no LinkedIn uma nota na qual cobra do Carrefour "medidas imediatas e efetivas" que impeçam novos episódios de discriminação como o que levou ao assassinato de João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, ocorrido na noite de quinta-feira (19), na unidade do Carrefour Passo d'Areia de Porto Alegre.
A fabricante de bebidas Ambev publicou em sua conta oficial no LinkedIn uma nota na qual cobra do Carrefour "medidas imediatas e efetivas" que impeçam novos episódios de discriminação como o que levou ao assassinato de João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, ocorrido na noite de quinta-feira (19), na unidade do Carrefour Passo d'Areia de Porto Alegre.
"Na Ambev não toleramos qualquer ato de racismo ou violência. Estamos em luto pelo assassinato brutal de João Alberto Silveira Freitas. Para todos nós, nossos funcionários e a comunidade negra, a tristeza, frustração e medo gerados por atos recorrentes de violência como este são profundos e pessoais", diz a nota da Ambev.
João Alberto Silveira Freitas, homem negro, foi espancado e morto por dois homens brancos que integravam a equipe de segurança do Carrefour, na capital gaúcha. Os suspeitos, um de 24 anos e outro de 30 anos, foram presos em flagrante, sendo que um deles foi levado a um presídio militar por integrar a Brigada Militar do Rio Grande do Sul. A Polícia Civil trata o caso como homicídio qualificado.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO