Porto Alegre, sábado, 14 de novembro de 2020.
Dia do Bandeirante.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 14 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Dia Mundial do Diabetes

- Publicada em 08h09min, 14/11/2020.

Brasil é o 3º país do mundo com mais crianças e adolescentes com diabetes

Pelo menos 16,8 milhões de pessoas têm a doença no Brasil

Pelo menos 16,8 milhões de pessoas têm a doença no Brasil


FREEPICK/DIVULGAÇÃO/JC
Doença crônica silenciosa que, em muitos casos, demora a dar sinais de existência, o diabetes é uma enfermidade que acomete pelo menos 463 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo a Federação Internacional de Diabetes (IDF). Deste total, aproximadamente 20 milhões são portadoras do tipo 1, forma mais grave da doença e que atinge principalmente crianças e adolescentes. Com o objetivo de debater o tema e alertar a população sobre os riscos e sobre a importância do tratamento da doença, é celebrado neste sábado (14), o Dia Mundial do Diabetes.
Doença crônica silenciosa que, em muitos casos, demora a dar sinais de existência, o diabetes é uma enfermidade que acomete pelo menos 463 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo a Federação Internacional de Diabetes (IDF). Deste total, aproximadamente 20 milhões são portadoras do tipo 1, forma mais grave da doença e que atinge principalmente crianças e adolescentes. Com o objetivo de debater o tema e alertar a população sobre os riscos e sobre a importância do tratamento da doença, é celebrado neste sábado (14), o Dia Mundial do Diabetes.
De acordo com a IDF, pelo menos 16,8 milhões de pessoas possuem a doença no Brasil, sendo que o País é o 3º do mundo com mais crianças e adolescentes com a enfermidade. Somente na faixa dos 0 a 14 anos, são 51.500 casos. No Rio Grande do Sul, o número de diabéticos chega a 710 mil pessoas, sendo que destas, cerca de 9 mil são crianças e adolescentes acometidos pelo diabetes tipo 1.
Se o panorama atual assusta, o futuro é ainda mais preocupante. A IDF estima que, em 2030, sejam 552 milhões de pessoas com diabetes no mundo e que a expectativa de mortes em decorrência da doença chegue a 3,8 milhões ao ano, o que equivale a 6% da taxa de mortalidade mundial, correspondendo à quarta principal causa de morte no mundo. Além disso, faz-se necessário reforçar que os pacientes com diabetes são três vezes mais propensos a desenvolver doenças cardíacas, sendo que a falta de cuidados com o tratamento pode levar a complicações como a neuropatia diabética, doença renal e amputação das extremidades.
O diabetes tipo 1 acontece geralmente na infância ou na adolescência, no entanto, também pode acometer os adultos. Essa variedade é sempre tratada com insulina, planejamento alimentar e atividades físicas, para ajudar a controlar o nível de glicose no sangue. Em algumas pessoas, o sistema imunológico ataca equivocadamente as células beta do pâncreas, onde é produzida a insulina. Logo, pouca ou nenhuma insulina é liberada para o corpo. Como resultado, a glicose fica no sangue, em vez de ser usada como energia. Esse é o processo que caracteriza o Tipo 1 de diabetes, que concentra entre 5 e 10% do total de pessoas com a doença. Os principais sintomas incluem vontade de urinas várias vezes, fome frequente, sede excessiva, perda de peso, fraqueza, fadiga, nervosismo, mudanças de humor, náusea e vômito.
Já em relação ao diabetes tipo 2, sabe-se que este possui um fator hereditário maior do que no tipo 1. Além disso, há uma grande relação com a obesidade e o sedentarismo. Estima-se que 60% a 90% dos portadores da doença sejam obesos. A incidência é maior após os 40 anos. Uma de suas peculiaridades é a contínua produção de insulina pelo pâncreas. O problema está na incapacidade de absorção das células musculares e adiposas. O diabetes tipo 2 é cerca de 10 vezes mais comum que o tipo 1 e pode responder ao tratamento com dieta e exercício físico. Outras vezes vai necessitar de medicamentos orais e, por fim, a combinação destes com a insulina. Os sintomas do diabetes tipo 2 incluem infecções frequentes, alteração visual (visão embaçada), dificuldade na cicatrização de feridas, formigamento nos pés e furunculose.
Comentários CORRIGIR TEXTO