Porto Alegre, sexta-feira, 06 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 06 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Investigação

- Publicada em 10h53min, 06/11/2020.

PF pede bloqueio de R$ 130 milhões em criptoativos depositados nos EUA

Em 2019, a PF cumpriu dez mandados de prisão preventiva e 25 de busca e apreensão em três estados

Em 2019, a PF cumpriu dez mandados de prisão preventiva e 25 de busca e apreensão em três estados


POLÍCIA FEDERAL/DIVULGAÇÃO/JC
A Polícia Federal em conjunto com o Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional do Ministério da Justiça bloqueou criptoativos avaliados em quase R$ 130 milhões (US$ 24 milhões) que estavam em uma empresa, sediada nos Estados Unidos, que oferecia serviços de ativos virtuais. O bloqueio foi solicitado com base em provas obtidas na Operação Egypto, que em 2019 revelou a atuação ilegal de uma empresa de Novo Hamburgo, na Região Metropolitana de Porto Alegre.
A Polícia Federal em conjunto com o Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional do Ministério da Justiça bloqueou criptoativos avaliados em quase R$ 130 milhões (US$ 24 milhões) que estavam em uma empresa, sediada nos Estados Unidos, que oferecia serviços de ativos virtuais. O bloqueio foi solicitado com base em provas obtidas na Operação Egypto, que em 2019 revelou a atuação ilegal de uma empresa de Novo Hamburgo, na Região Metropolitana de Porto Alegre.
Segundo a PF, a empresa, que prometia aos clientes retorno de 15% no primeiro mês de aplicação, estaria captando recursos de terceiros sem a autorização dos órgãos competentes. O dinheiro dos clientes era investido no mercado de criptoativos.
A ação é mais uma em esforço no combate aos crimes contra o sistema financeiro e à lavagem de dinheiro. Resultado da Operação Egypto, deflagrada no Rio Grande do Sul, em maio de 2019, a operação apura a atuação de uma empresa da cidade gaúcha de Novo Hamburgo. Os ativos serão preservados pelas autoridades americanas enquanto os procedimentos judiciais necessários ao seu confisco seguirem seu curso no Brasil.
Comentários CORRIGIR TEXTO