Porto Alegre, terça-feira, 06 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 06 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

defesa sanitária

- Publicada em 13h28min, 06/10/2020. Atualizada em 13h32min, 06/10/2020.

Agricultura identifica fungos, bactérias e pragas em pacotes de sementes misteriosas

Caso recebido, o material deve ser encaminhado ao Mapa sem ser aberto ou manuseado

Caso recebido, o material deve ser encaminhado ao Mapa sem ser aberto ou manuseado


MAPA/DIVULGAÇÃO/JC
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) afirmou nesta terça-feira (6) ter identificado fungos, bactérias e possibilidade de pragas quarentenárias não existentes no Brasil nos pacotes de sementes não solicitados que chegaram ao país. Os pacotes foram supostamente enviados de quatro países da Ásia.
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) afirmou nesta terça-feira (6) ter identificado fungos, bactérias e possibilidade de pragas quarentenárias não existentes no Brasil nos pacotes de sementes não solicitados que chegaram ao país. Os pacotes foram supostamente enviados de quatro países da Ásia.
De acordo com a Secretaria de Defesa Agropecuária, análises laboratoriais encontraram a presença de ácaro vivo em uma amostra; de três fungos diferentes em 25 amostras; de bactéria em duas amostras; e possibilidade de pragas quarentenárias em quatro amostras (como plantas daninhas). O Laboratório Federal de Defesa Agropecuária em Goiás é responsável pela pesquisa.
Até o momento, foram confirmados os recebimentos de 258 pacotes de sementes não solicitados em 24 estados e no Distrito Federal, incluindo o Rio Grande do Sul. Os únicos estados que ainda não registraram o recebimento do material foram Maranhão e Amazonas. O órgão estima que um maior detalhamento seja obtido em até 30 dias.
O governo federal orienta que as pessoas que receberem os pacotes devem encaminhá-los a uma unidade do Mapa ou entidade estadual de agricultura. O material não deve ser aberto ou manuseado. É necessário manter as embalagens originais, devido às informações fundamentais para rastrear a origem.
De acordo com o governo, de 2019 para 2020 houve um aumento de aproximadamente 150% no número de apreensões desse tipo de material na central de distribuições dos Correios em Curitiba. O número passou de 2 mil para 5 mil por mês.
No primeiro semestre deste ano, a fiscalização interceptou 33.734 caixas ou envelopes contendo partes de vegetais (folha, flores e caules), material de propagação vegetal (mudas, bulbos), produtos vegetais que apresentam risco, sementes e outros na central em Curitiba. Do total, 26.111 foram destruídos, 2.383 foram devolvidos ao local de origem e 5.240 liberados após checagem da documentação.
A investigação ainda é feita apenas na esfera administrativa, pelo Mapa. O governo ressalta que, após a coleta de todas as informações, será realizada a interação com autoridades fitossanitárias dos países que supostamente enviaram os pacotes. Caso necessário, outros órgãos e autoridades policiais podem ser acionados.
Comentários CORRIGIR TEXTO