Porto Alegre, sexta-feira, 02 de outubro de 2020.
Dia Internacional do Notário.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 02 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

educação

- Publicada em 20h44min, 02/10/2020.

Justiça indefere pedidos para suspender volta das aulas presenciais em Porto Alegre

Retomada do ensino está marcada para a próxima segunda-feira, 5 de outubro

Retomada do ensino está marcada para a próxima segunda-feira, 5 de outubro


DIVULGAÇÃO/JC
A 5ª Vara da Fazenda Pública indeferiu liminar a requerida pelo Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa) que pedia a suspensão do retorno das aulas presenciais, marcado para a próxima segunda-feira (5). Os protocolos que terão de ser adotadas pelas escolas para a retomada das atividades foram apresentados pela prefeitura de Porto Alegre.
A 5ª Vara da Fazenda Pública indeferiu liminar a requerida pelo Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa) que pedia a suspensão do retorno das aulas presenciais, marcado para a próxima segunda-feira (5). Os protocolos que terão de ser adotadas pelas escolas para a retomada das atividades foram apresentados pela prefeitura de Porto Alegre.
"Com relação específica às atividades escolares, face à dinâmica dos fatos relativos à pandemia, e após longo período de classificação de bandeira vermelha no Município de Porto Alegre, o ente público municipal, juntamente com o Estado do Rio Grande do Sul e com o Ministério Público, deliberaram pela abertura gradual das atividades escolares, o que indica esforço conjunto ao atendimento de todas as normas e adoção de cautelas possíveis e necessárias para viabilizar a medida", diz a decisão desta sexta-feira (2) assinada pelo juiz Murilo Magalhães Castro Filho.
Em outra decisão, o mesmo magistrado também indeferiu o pedido de tutela provisória de urgência que solicitava ao Município a apresentação de um protocolo sanitário para o retorno das aulas presenciais, entre outros.
O prefeito Nelson Marchezan Júnior fez um apelo para que os educadores voltem às salas de aula e afirmou que os professores que não forem às escolas e não apresentarem justificativa terão salário cortado. “Profissionais da saúde que não foram trabalhar sem justificativa, não receberam. Os profissionais da segurança, de fiscalização que não foram trabalhar e que tinham todas as condições, não receberam. O critério será o mesmo”, afirmou.
Comentários CORRIGIR TEXTO