Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Investigação

- Publicada em 10h21min, 04/09/2020. Atualizada em 10h21min, 04/09/2020.

Polícia Federal investiga conflito indígena no Norte do Rio Grande do Sul

Cerca de 110 policiais federais cumprem 21 mandados de prisão preventiva no Norte do RS

Cerca de 110 policiais federais cumprem 21 mandados de prisão preventiva no Norte do RS


TOMAZ SILVA/ABR/JC
A Polícia Federal (PF) deflagrou, na manhã desta sexta-feira (4), a Operação Carreteiro, que investiga diversos crimes praticados em decorrência de conflito em aldeia indígena na região norte do Rio Grande do Sul. Cerca de 110 policiais federais cumprem 21 mandados de prisão preventiva e 28 de busca e apreensão nos municípios de Água Santa, Tapejara, Charrua e Passo Fundo.
A Polícia Federal (PF) deflagrou, na manhã desta sexta-feira (4), a Operação Carreteiro, que investiga diversos crimes praticados em decorrência de conflito em aldeia indígena na região norte do Rio Grande do Sul. Cerca de 110 policiais federais cumprem 21 mandados de prisão preventiva e 28 de busca e apreensão nos municípios de Água Santa, Tapejara, Charrua e Passo Fundo.
A ação conta com o apoio da Brigada Militar, da Polícia Civil, do Corpo de Bombeiros e da Susepe. Mais de 300 agentes públicos estão envolvidos na operação.
Em junho, indígenas do Posto Indígena Carreteiro entraram em conflito pela disputa da liderança local, motivada por divergências na divisão das terras e na gestão de cargos e recursos. Com o deflagrar da violência, um dos grupos foi expulso da aldeia e atualmente se encontra em um abrigo na cidade de Água Santa, enquanto o outro grupo controla a reserva.
Durante a investigação, a Polícia federal apurou que os dois grupos indígenas rivais, reforçados por indivíduos de outras áreas indígenas, estão armados e vêm nos últimos três meses praticando diversos atos violentos, inclusive em zona urbana, contra pessoas e contra o patrimônio.
O inquérito da Polícia Federal apura quatro tentativas de homicídio, organização criminosa, porte ilegal de arma, ameaças, lesões corporais e incêndios criminosos em residências.
As prisões e as buscas realizadas com a deflagração da Operação Carreteiro têm por objetivo fazer cessar a violência na região e a retomada da normalidade na aldeia e no município, além da coleta de informações e provas que auxiliem na identificação dos autores e partícipes dos crimes.
Será concedida entrevista coletiva na Delegacia de Polícia Federal de Passo Fundo, às 10 horas, mediante todos os protocolos de saúde recomendados.
Comentários CORRIGIR TEXTO