Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Gente

- Publicada em 09h08min, 28/08/2020. Atualizada em 13h30min, 28/08/2020.

Jornalista Flávio Portela, coordenador de comunicação do MPT, falece aos 55 anos

Flávio Portela, coordenador de comunicação do MPT/RS, faleceu nesta quinta-feira (27)

Flávio Portela, coordenador de comunicação do MPT/RS, faleceu nesta quinta-feira (27)


Arquivo Pessoal
Coordenador de comunicação do Ministério Público do Trabalho do Rio Grande do Sul, o jornalista Flávio Wornicov Portela, 55 anos, faleceu na noite desta quinta-feira (27), em Porto Alegre. Portela era um comunicador com atuação reconhecida em todo o Estado e a morte surpreendeu familiares e colegas. A causa ainda não foi divulgada. Portela teve um mal súbito na noite de ontem e não resistiu.
Coordenador de comunicação do Ministério Público do Trabalho do Rio Grande do Sul, o jornalista Flávio Wornicov Portela, 55 anos, faleceu na noite desta quinta-feira (27), em Porto Alegre. Portela era um comunicador com atuação reconhecida em todo o Estado e a morte surpreendeu familiares e colegas. A causa ainda não foi divulgada. Portela teve um mal súbito na noite de ontem e não resistiu.
Portela trabalhava na regional do MPT desde 2010. De acordo com o órgão, a cerimônia de funeral ocorrerá na Capela A do Cemitério Jardim da Paz (Estrada João de Oliveira Remião nº 1347 - Agronomia, Porto Alegre), no dia de hoje, 28 de agosto, das 13h às 17h.
Priscila Dibi Schvarcz, procuradora com quem Portela trabalha com ainda mais afinco nos últimos meses, em razão da pandemia e dos casos envolvendo frigoríficos, ainda abalada com a morte repentina, resume Portela como um profissional extremamente dedicado e empolgado com o trabalho.
"Era uma pessoa incrível, que quando nos acompanhava nas forças tarefas pelo interior, visitava as redações dos jornais locais para divulgar a atuação do MPT. Uma perda irreparável, um grande amigo, uma referência para as assessorias de comunicação do MPT no País", elogia Priscila.
Antes de ingressar no MPT, Portela atuou por muitos anos na  Empresa Jornalística Caldas Júnior, passando pelo jornal Correio do Povo e na Rádio Guaíba. Em 1996, tornou-se chefe de reportagem do Correi do Povo, de acordo, com a empresa e posteriormente voltou à Guaíba, como gerente de Jornalismo. De acordo com a Caldas Júnior, que também divulgou nota sobre a morte do antigo colaborador, Portela deixa a esposa, Maria Inês Möllmann, e dois filhos.
Comentários CORRIGIR TEXTO