Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Clima

- Publicada em 13h03min, 01/07/2020.

Ciclone bomba pode causar mais estragos nesta quarta-feira, alerta Leite

Várias cidades, como Porto Alegre, tiveram manhã de transtornos devido aos estragos

Várias cidades, como Porto Alegre, tiveram manhã de transtornos devido aos estragos


LUIZA PRADO/JC
Fernanda Soprana
O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, convocou uma live extraordinária no Facebook para abordar os estragos que a formação de um ciclone-bomba está causando no Estado. Segundo Leite, mais transtornos devem ser esperados para esta quarta-feira (1º).
O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, convocou uma live extraordinária no Facebook para abordar os estragos que a formação de um ciclone-bomba está causando no Estado. Segundo Leite, mais transtornos devem ser esperados para esta quarta-feira (1º).
Ao vivo, Leite afirmou que até esta manhã, há 1.119 pessoas e 921 residências afetadas pelas chuvas, queda de granizo e pelos ventos em todo o Estado nas últimas 48 horas.
O Estado está verificando se vidas foram perdidas no Rio Grande do Sul em consequência dos estragos. “Acompanhamos que em Santa Catarina teve mais mortes. Aqui no Rio Grande do Sul teve um caso, que ainda não se sabe ao certo se é atribuído como consequência direta dos eventos climáticos, mas que está em apuração”, diz Leite.
O levantamento da Defesa Civil apontou um total de 19 cidades bastante afetadas pelos eventos climáticos: Iraí, Cacique Doble, Tapejara, Itatiba do Sul, Carlos Gomes, Barracão, Cambará do Sul, Lagoa Vermelha, Vacaria, Ibiaça, Capão Bonito do Sul, Muitos Capões, Paim Filho, São Sebastião do Caí, Morro Redondo, Santa Vitória do Palmar, Canela, Áurea e Pelotas. O governador diz que Iraí, Cacique Doble, Barracão, Vacaria e Capão Bonito do Sul foram os municípios mais atingidos.
O levantamento da Defesa Civil ainda está em andamento. De acordo com o coordenador e chefe da Casa Militar, coronel Júlio César Rocha, as equipes ainda devem avaliar o litoral norte.
Em São Sebastião do Caí, segundo o coronel Rocha, pelo menos 73 pessoas estão abrigadas em um ginásio municipal. O município é o único a registrar enchentes, após o aumento do volume do Rio Caí devido às chuvas. As residências em outras cidades foram afetadas apenas pelo vendaval e a queda de granizo.
O coordenador da Defesa Civil afirmou que o órgão já distribuiu mais de 3.000 m² de lona e auxiliou na reposição de telhas, desobstrução de vias e na remoção de árvores caídas. A possibilidade de um novo alerta meteorológico ainda é averiguada.
Leite diz que diversas localidades estão sem energia elétrica. Ele reforça que a Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) está trabalhando para repor a energia o mais rápido possível.
Desde segunda-feira (29), o Rio Grande do Sul enfrenta as consequências do evento meteorológico denominado ciclone-bomba - perdas de energia, obstrução de vias, entre outros. Leite diz que o governo trabalha para reduzir o impacto dos estragos, mas que “inevitavelmente esta quarta-feira vai ser de transtornos para boa parte dos cidadãos gaúchos atingidos de alguma forma pelos efeitos deste evento climático do ciclone extratropical, ou especialmente no caso do ciclone bomba”.
Comentários CORRIGIR TEXTO