Porto Alegre, quarta-feira, 24 de junho de 2020.
Dia da Indústria Gráfica.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 24 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

saúde

Alterada em 24/06 às 16h23min

Taxa de contágio para de cair no Brasil; pandemia acelera há nove semanas

A taxa calculada nesta semana é de 1,06, ligeiramente acima do 1,05 da semana anterior

A taxa calculada nesta semana é de 1,06, ligeiramente acima do 1,05 da semana anterior


Camila Surian/Arte/JC
Folhapress
O contágio de coronavírus no Brasil parou de cair depois de três semanas seguidas de desaceleração, segundo cálculos do Imperial College, uma das principais instituições globais de pesquisa de epidemias. Pela nona semana seguida, o país apresenta taxa acima de 1, o que indica que a transmissão está fora de controle.
O contágio de coronavírus no Brasil parou de cair depois de três semanas seguidas de desaceleração, segundo cálculos do Imperial College, uma das principais instituições globais de pesquisa de epidemias. Pela nona semana seguida, o país apresenta taxa acima de 1, o que indica que a transmissão está fora de controle.
O número, também chamado de Rt, indica para quantas pessoas na média cada infectado com o coronavírus transmite o patógeno. A taxa calculada nesta semana é de 1,06, ligeiramente acima do 1,05 da semana anterior. Ela indica que cada 100 pessoas contaminadas transmitem o coronavírus para outras 106, que por sua vez transmitem para 112,36 e assim por diante, fazendo com que a doença se espalhe com velocidade crescente no país.
O centro de estudos de epidemia do Imperial College usa em seus cálculos o número de mortes. A taxa de contágio se refere ao momento de infecção; por isso, o impacto de eventuais medidas de prevenção aparece em cerca de duas semanas.
A OMS (Organização Mundial de Saúde) tem observado também que, em países grandes e desiguais como o Brasil, a dinâmica da epidemia varia muito de região para região e é preciso aumentar a vigilância (com testes e rastreamento) para localizar os maiores riscos e suprimir o contágio.
Brasil e Colômbia foram os únicos países sul-americanos que não registraram queda na transmissão, entre os seis países acompanhados por terem transmissão ativa (ao menos dez mortes em cada uma das duas semanas anteriores e mínimo de cem mortes desde o começo da pandemia).
A taxa de contágio na Colômbia passou de 1,1, na semana passada, para 1,36. A Argentina caiu de 1,29 para 1,2, o Chile, de 1,12 para 1,08, a Bolívia, de 1,36 para 1,07 e o Peru, de 1,36 para 1,02.
Com base no número de mortes registradas no Brasil, os cientistas também calculam que o número de casos de coronavírus no país é de cerca do triplo do declarado: o total acumulado de brasileiros contaminados seria de mais de 3 milhões.
Para chegar a essa estimativa, o Imperial College parte do registro de óbitos, onde a subnotificação é menor, e considera a premissa de que as mortes equivalem a 1,38% dos casos relatados 14 dias antes.
Para um total de 52.645 mortes registradas até esta terça (23), a conta indica que haveria mais de 3,8 milhões de pessoas infectadas pelo vírus do começo da pandemia até duas semanas atrás.
Os cientistas também estimam que o número de mortes por coronavírus no Brasil na semana que começou em 21 de junho seja de 7.900, indicando um aumento em relação à semana anterior.
O número de óbitos estimados é o maior entre os 52 países acompanhados pelo Imperial College nesta semana. Em segundo lugar vem o México, com 4.420 -os EUA não entram nesse relatório. Em relação ao contágio, a taxa brasileira é a 32ª maior entre os 52 países.
Comentários