Porto Alegre, terça-feira, 23 de junho de 2020.
Dia Nacional do Agente Marítimo.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 23 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Ensino Superior

Alterada em 23/06 às 10h19min

MEC revoga portaria que acabava com cotas para negros e índios em pós-graduações

Texto de 2016 estabelecia que as instituições federais deveriam apresentar propostas de inclusão

Texto de 2016 estabelecia que as instituições federais deveriam apresentar propostas de inclusão


MARCO QUINTANA/JC
Agência Brasil
O Ministério da Educação (MEC)  tornou sem efeito a Portaria nº 545/2020, publicada no último dia 18, ainda na gestão do ex-ministro Abraham Weintraub, que revogava a Portaria nº 13/2016, que estabelecia a necessidade de criação, naquele ano, de políticas afirmativas nos cursos de pós-graduação. A Portaria nº 559/2020 , que torna sem efeito o ato da semana passada, foi publicada nesta terça-feira (23) no Diário Oficial da União.
O Ministério da Educação (MEC)  tornou sem efeito a Portaria nº 545/2020, publicada no último dia 18, ainda na gestão do ex-ministro Abraham Weintraub, que revogava a Portaria nº 13/2016, que estabelecia a necessidade de criação, naquele ano, de políticas afirmativas nos cursos de pós-graduação. A Portaria nº 559/2020 , que torna sem efeito o ato da semana passada, foi publicada nesta terça-feira (23) no Diário Oficial da União.
A portaria de 2016 estabelecia, que, em um prazo de 90 dias, as instituições federais de ensino superior deveriam apresentar propostas sobre inclusão de negros, indígenas e pessoas com deficiência em seus programas de pós-graduação (mestrado, mestrado profissional e doutorado), como políticas de ações afirmativas.
A Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão do Ministério Público Federal (MPF), no Rio de Janeiro, estava apurando a legalidade da revogação da medida. Com o ato desta terça, a portaria volta a vigorar.
Questionado, o Ministério da Educação informou que a Portaria nº 13/2016 "foi revogada com base no Artigo 8º, do Decreto nº 10.139/2019", que obriga a anulação de normas "cujos efeitos tenham se exaurido no tempo". Em nota, a pasta acrescentou que a Lei nº 12.711/2012, em vigor, prevê a concessão de cotas e ações afirmativas exclusivamente para cursos de graduação.
Comentários