Porto Alegre, segunda-feira, 18 de maio de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 18 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

São Paulo

18/05/2020 - 08h38min. Alterada em 18/05 às 08h38min

Doria: protocolo de 'lockdown' existe em SP, é iminente, mas não será adotado já

"Dia a dia nós avaliamos a possibilidade do lockdown", afirmou o governador

"Dia a dia nós avaliamos a possibilidade do lockdown", afirmou o governador


Governo de São Paulo/ reprodução/ JC
O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse nesta segunda-feira (18) que Executivo já trabalha com um protocolo de "lockdown", ou isolamento total, mas que sua adoção não deve ser imediata. Em entrevista à rádio CBN, o tucano afirmou que a medida pode ser evitada caso o índice de isolamento no Estado fique, em média, em 55% da população.
O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse nesta segunda-feira (18) que Executivo já trabalha com um protocolo de "lockdown", ou isolamento total, mas que sua adoção não deve ser imediata. Em entrevista à rádio CBN, o tucano afirmou que a medida pode ser evitada caso o índice de isolamento no Estado fique, em média, em 55% da população.
"Dia a dia nós avaliamos a possibilidade do 'lockdown', mas é importante ressaltar que temos disponibilidade de leitos de UTI, temos hoje uma nova aquisição de respiradores", disse o governador paulista.
De acordo com Doria, as medidas de isolamento social adotadas em São Paulo já fizeram grande efeito para reduzir o número de casos e de mortes em decorrência da Covid-19. O governador afirmou que, caso o distanciamento não tivesse sido realizado a partir da segunda quinzena de março, o Estado já teria "mais de 45 mil mortes", contra as 4.782 registradas até agora.
Comentários