Porto Alegre, sexta-feira, 27 de março de 2020.
Dia Internacional do Teatro e Dia do Circo.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, sexta-feira, 27 de março de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Saúde

Notícia da edição impressa de 27/03/2020. Alterada em 26/03 às 21h17min

Rio Grande do Sul já tem 190 casos confirmados de Covid-19

ARTE JULIANO BRUNI/JC
A curva de propagação do novo coronavírus no Brasil segue crescendo. Nesta quinta-feira, dia em que completou um mês do primeiro caso diagnosticado, o País chegou a 77 mortes causadas pela Covid-19.
A curva de propagação do novo coronavírus no Brasil segue crescendo. Nesta quinta-feira, dia em que completou um mês do primeiro caso diagnosticado, o País chegou a 77 mortes causadas pela Covid-19.
Conforme o Ministério da Saúde, são 2.915 confirmações no território nacional. O número, porém, é menor do que o real, na medida em que não conta com atualização de ocorrências de alguns estados.
O Rio Grande do Sul, por exemplo, conforme a Secretaria Estadual da Saúde (SES), já conta com 190 casos, mas no balanço do governo federal ainda constam 168 casos gaúchos. O Estado tem diagnósticos confirmados em 43 municípios.
De quarta-feira para esta quinta-feira, houve um crescimento de 20 óbitos no País. Com as 77 mortes, o índice de letalidade (mortes em relação às contaminações notificadas) é de 2,7% Os estados com maior número de infectados são: São Paulo (1.052), Rio de Janeiro (421) e Ceará (235). São Paulo contabiliza 58 óbitos.
Em entrevista coletiva na qual os novos números foram apresentados, o secretário executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis, analisou o que a pasta espera do cenário dos próximos 30 dias. "A previsão é de que teremos 30 dias muito difíceis. Provavelmente estejamos na fase crítica da pandemia. Não vamos começar a reduzir os casos em 30 dias. Vamos enfrentar isso", afirmou.
Gabbardo não quis fazer uma projeção de casos e de óbitos, mas espera que, com a ampliação da testagem, a taxa de letalidade caia. "A previsão de número de casos é muito difícil de fazer. Essas simulações são muito precoces. Trabalhamos com vários cenários. O número de casos depende da transmissão da doença e da quantidade de testes que fizermos. Quantos mais testes fizermos, maior será a identificação de casos. Temos uma letalidade de 2,6% sem ampliarmos a testagem, ainda fazendo aquela testagem lá do início do processo. Vamos fazer o possível para ter o menor número de casos e de óbitos nos próximos 30 e 60 dias", completou.
Segundo gestor, é esperado que, em um período de 20 a 30 dias, o número de óbitos e casos diários seja sempre maior do que os do dia anterior. O Secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson Oliveira disse ainda ser muito cedo para avaliar o resultado das medidas de isolamento social. "Estamos ainda no início da epidemia. Como epidemiologista, posso dizer que é muito precoce avaliar o impacto das nossas medidas nesse momento. Mas não tenho dúvida de que elas irão influenciar."
Também nesta quinta-feira, o ministério lançou a nova plataforma nacional que atualiza os casos (https://covid.saude.gov.br/). A base de dados será atualizada diretamente pelos estados e municípios, dando um panorama em tempo real do cenário nacional.