Porto Alegre, quinta-feira, 12 de março de 2020.
Dia do Bibliotecário.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

saúde

12/03/2020 - 15h22min. Alterada em 12/03 às 15h22min

Coronavírus: Governo convoca 5.811 médicos e propõe adiar cirurgias eletivas

Agora, do total de vagas, 2.588 devem ser localizadas em cidades de perfil 3, como capitais

Agora, do total de vagas, 2.588 devem ser localizadas em cidades de perfil 3, como capitais


Ministério da Saúde/Divulgação/JC
Em meio ao avanço de casos do novo coronavírus, o Ministério da Saúde lançou um edital para colocar 5.811 médicos extras em postos de saúde até o início de abril e já avalia medidas extras para evitar sobrecarga na rede.
Em meio ao avanço de casos do novo coronavírus, o Ministério da Saúde lançou um edital para colocar 5.811 médicos extras em postos de saúde até o início de abril e já avalia medidas extras para evitar sobrecarga na rede.
O número corresponde ao total de médicos que devem ser contratados por meio de um novo edital do Mais Médicos. A medida também representa um recuo do governo em relação ao programa. Até então, a pasta não vinha renovando vagas em cidades de perfis 1 a 3 do Mais Médicos, como capitais e cidades maiores.
Agora, do total de vagas, 2.588 devem ser localizadas em cidades de perfil 3, como capitais. O objetivo é reforçar o atendimento diante da previsão de aumento de casos do novo coronavírus.
Poderão participar do edital médicos brasileiros ou com registro no país. O contrato valerá pelo período de um ano.
Uma delas é propor a secretarias estaduais de saúde que adiem cirurgias eletivas como forma de liberar leitos em hospitais para atendimento de pacientes graves.
"Já estamos falando com os secretários de saúde para tentar segurar. Se alguém tem uma prótese de quadril para trocar, por exemplo, não tem por que fazer agora. Tudo que for possível deixar para mais adiante, vamos deixar", afirmou o secretário-executivo da pasta, João Gabbardo dos Reis. "Não vamos colocar o paciente de forma desnecessária no hospital."
Outra medida prevista será ampliar o prazo de receita de medicamentos -assim, em vez de pegar remédios para três meses, pacientes pegariam por até seis, evitando ida ao hospital.
Segundo Gabbardo, a pasta também planeja rever os critérios para indicação de leitos de UTI. A mudança deve ser discutida com estados e entidades médicas.
De acordo com o secretário, a pressão causada pelo vírus em sistemas de saúde de outros países já leva o governo a ampliar parte das medidas inicialmente previstas para reforço da rede.
Há cerca de duas semanas, o Ministério da Saúde havia anunciado um edital para alugar mil leitos extras de UTI que poderiam ser instalados em hospitais em caso de necessidade.
Agora, a ideia é lançar um novo edital nesta sexta (13) para oferta de mais mil leitos.
O planejamento segue cenário observado na Itália, afirma. "O nível de preocupação com leitos de UTI aumentou", diz Gabbardo.
"Não é só colocar os leitos. Queremos usar melhor. Não vamos manter em leitos de UTI pacientes terminais, ou pacientes que não teriam indicação", disse.
Nos últimos dias, a pasta tem feito um apelo ao Congresso para liberação de R$ 5 bilhões previstos em emendas para medidas de controle do coronavírus.
De acordo com Gabbardo, caso o recurso não for liberado, o ministério avalia antecipar a liberação aos estados de recursos de média e alta complexidade, direcionados a ações hospitalares, por exemplo, que seriam distribuídos em dezembro.
A medida ocorre em um momento em que cresce a pressão de secretários de saúde por mais recursos para combate à doença.
Nesta quarta, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse que a pandemia de coronavírus no mundo pode ser letal aos sistemas de saúde.