Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Investigação

- Publicada em 17h53min, 05/03/2020.

Após ordem do papa, Arquidiocese de SP cria comissão para apurar abuso sexual na igreja

O decreto que criou a comissão foi assinado na quarta-feira passada

O decreto que criou a comissão foi assinado na quarta-feira passada


GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/JC
 Arquidiocese de São Paulo anunciou nesta quinta-feira (5) a criação de uma comissão que vai investigar denúncias de abuso sexual contra clérigos e religiosos ligados à Igreja Católica. A medida obedece a determinação de maio de 2019 do papa Francisco.
 Arquidiocese de São Paulo anunciou nesta quinta-feira (5) a criação de uma comissão que vai investigar denúncias de abuso sexual contra clérigos e religiosos ligados à Igreja Católica. A medida obedece a determinação de maio de 2019 do papa Francisco.
Segundo o decreto que criou a comissão, caberá ao arcebispo metropolitano, que hoje é o cardeal Odilo Pedro Scherer, nomear os membros que vão receber e investigar as denúncias de abusos de menores e pessoas vulneráveis. O órgão terápadres, psicólogos, advogados e profissionais de outras áreas.
Além de dar auxílio psicológico, a comissão deverá informar as vítimas ou seus responsáveis sobre os caminhos para denunciar os supostos crimes às autoridades civis.
O decreto que criou a comissão foi assinado na quarta-feira passada (26), mas entrará em vigor apenas em 8 de março.
Em carta apostólica de maio de 2019, o papa Francisco havia determinado que, até junho de 2020, instituições como as dioceses adotassem "procedimentos para prevenir e evitar esses crimes que atraiçoam a confiança dos fieis".
A carta foi escrita em formato de "motu proprio", que modifica a legislação interna da igreja, o direito canônico.
Clérigos deverão encaminhar à comissão as denúncias de que tenham tomado conhecimento, sob pena de sanções não especificadas. A exceção dessa norma fica por conta de confissões eclesiásticas. A medida também consta na carta do papa.
Em entrevista divulgada nesta quinta (5) ao jornal O São Paulo, ligado à Arquidiocese, o cardeal Scherer afirmou que "entre as várias motivações" está "o desejo de ampliar e fortalecer a vigilância para que os casos de abusos sexuais de menores e pessoas vulneráveis, cometidos por clérigos e religiosos, sejam eficazmente esclarecidos e superados".
Ele afirma ainda que o órgão atuará como uma ouvidoria. "[A comissão vai]acolher as pessoas, ouvir, tentar caracterizar a denúncia e fazer um primeiro discernimento sobre os fatos e situações relatadas. Ela não será um tribunal nem emitirá sentenças. Esse trabalho, se for o caso, será feito pelo Tribunal Eclesiástico, nas suas diversas instâncias", explica.
Em fevereiro de 2019, o papa já havia pedido uma "batalha total"contra os crimes de pedofilia e abuso sexual nas igrejas. Em dezembro, eliminou a regra de "sigilo pontifício", o que permite que a igreja envie às autoridades documentos e materiais relacionados a suspeitas de crimes sexuais.
A comissão terá reuniões a cada duas semanas para avaliar as denúncias, que não poderão ser anônimas. O email [email protected] foi divulgado para coletar as acusações e agendar encontros presenciais com oórgão.
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO