Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Violência

- Publicada em 12h45min, 28/02/2020. Atualizada em 12h45min, 28/02/2020.

Bolsonaro discute com ministros possibilidade de prorrogar GLO no Ceará

O presidente Jair Bolsonaro realiza nova reunião com ministros no Palácio do Planalto para decidir se vai renovar ou não o decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) no Ceará, que vence nesta sexta-feira (28). O estado sofre há mais de 10 dias com o motim de policiais militares.
O presidente Jair Bolsonaro realiza nova reunião com ministros no Palácio do Planalto para decidir se vai renovar ou não o decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) no Ceará, que vence nesta sexta-feira (28). O estado sofre há mais de 10 dias com o motim de policiais militares.
No encontro, estão presentes os ministros da Casa Civil, Walter Braga Netto; da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro; da Secretaria-Geral, Jorge Oliveira; da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos; do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno; e o advogado-geral da União, André Mendonça.
Nesta quinta-feira (27) em transmissão semanal nas redes sociais, o presidente indicou que não gostaria de renovar a GLO e que esperava um acordo entre o governo do estado e os policiais o quanto antes.
"A gente espera que o governo resolva o problema da Polícia Militar do Ceará e bote um ponto final nessa questão", disse o presidente. "No momento eu não tenho tranquilidade", argumentou Bolsonaro contra a prorrogação do prazo para além do prazo de oito dias vigentes, que expira nesta sexta.
Ainda segundo Bolsonaro, "GLO não é para ficar eternamente atendendo um ou mais governadores. GLO é uma questão emergencial". O presidente também pediu apoio aos governadores "para que o Parlamento vote o excludente de ilicitude". De acordo com o mandatário, a proposta é uma "retaguarda jurídica" para os militares envolvidos na operação.
Comentários CORRIGIR TEXTO