Porto Alegre, quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Limpeza Urbana

20/02/2020 - 12h20min. Alterada em 20/02 às 12h29min

Funcionários protestam contra empresa que realiza coleta de lixo orgânico em POA

Funcionários da Belém Ambiental, que presta serviço terceirizado de coleta de lixo orgânico residual à prefeitura de Porto Alegre, protestaram na manhã desta quinta-feira (20) alegando demissões por justa causa e atraso no pagamento de benefícios por parte da empresa. Durante três horas, os caminhões não saíram da garagem, no bairro Sarandi, ficando impedidos de realizar a limpeza na Capital.
Funcionários da Belém Ambiental, que presta serviço terceirizado de coleta de lixo orgânico residual à prefeitura de Porto Alegre, protestaram na manhã desta quinta-feira (20) alegando demissões por justa causa e atraso no pagamento de benefícios por parte da empresa. Durante três horas, os caminhões não saíram da garagem, no bairro Sarandi, ficando impedidos de realizar a limpeza na Capital.
Em nota, a Secretaria de Serviços Urbanos (SMSurb) frisou que os serviços serão prestados normalmente e que a situação já foi normalizada.
A empresa Belém Ambiental que faz a Coleta Domiciliar (orgânicos e rejeito) em Porto Alegre teve um bloqueio na saída dos caminhões no início da manhã desta quinta-feira, 20. A barreira foi feita por um funcionário da empresa que protestou após ser demitido por justa causa. O Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU) informa que a situação já foi normalizada e os roteiros de coleta serão cumpridos normalmente no turno do dia.
A reportagem tentou contato com a Belém Ambiental por telefone, mas não obteve resposta.