Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Investigação

13/02/2020 - 13h10min. Alterada em 13/02 às 13h09min

PF põe 'Narcos' contra tráfico internacional de cocaína e armas em aeronaves

Operação Narcos desarticula grupo que atuava com tráfico de drogas e armas e lavagem de dinheiro

Operação Narcos desarticula grupo que atuava com tráfico de drogas e armas e lavagem de dinheiro


POLÍCIA FEDERAL/DIVULGAÇÃO/JC
A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quinta-feira (13) a Operação Narcos, para desarticular um grupo que atuava em diferentes Estados com tráfico de drogas e armas e lavagem de dinheiro. Segundo os investigadores, a organização é ligada à uma facção e trazia drogas da Bolívia, principalmente cocaína, por meio de aeronaves e caminhões. Os entorpecentes eram então revendidos no mercado interno ou enviados para outros Países por navios.
A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quinta-feira (13) a Operação Narcos, para desarticular um grupo que atuava em diferentes Estados com tráfico de drogas e armas e lavagem de dinheiro. Segundo os investigadores, a organização é ligada à uma facção e trazia drogas da Bolívia, principalmente cocaína, por meio de aeronaves e caminhões. Os entorpecentes eram então revendidos no mercado interno ou enviados para outros Países por navios.
Segundo o Ministério Público Federal, o grupo fazia uso de aeródromos localizados em Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará e Amazonas.
Os policiais federais cumpriram 24 mandados de busca e apreensão e 17 mandados de prisão - 16 preventivas e uma temporária, sendo que quatro preventivas eram referentes a pessoas que já estavam presas. A ação teve apoio da Polícia Rodoviária Federal, da Agência Nacional de Aviação Civil - Anac e da Polícia Civil.
As ordens foram realizadas em endereços de Balneário Camboriú, Bombinhas, Brusque, Canelinha, Florianópolis, Itapema e Porto Belo, em Santa Catarina, Eunápolis e Porto Seguro, na Bahia, Governador Valadares, em Minas Gerais, Linhares, no Espírito Santo, e Canoas, no Rio Grande do Sul.
A 1ª Vara Federal de Itajaí determinou ainda o sequestro de carros e imóveis dos envolvidos, muitos deles de alto padrão, incluindo apartamentos em Itapema, Bombinhas, Porto Belo e um sítio em Canelinha, em Santa Catarina. Também foi decretado o bloqueio de contas de 25 investigados.
As medidas foram tomadas após a investigação identificar que os investigados possuíam patrimônios milionários registrados em seus próprios nomes e nos de terceiros - parentes, empresas e outros "laranjas".
A Polícia Federal indicou que durante a investigação foram apreendidas quase duas toneladas de cocaína, além 12 aeronaves. Durante tais diligências, alguns integrantes do grupo foram presos em flagrante, sendo um deles um dos líderes - detido em 2019 no Pará.
A corporação afirmou ainda que há fortes indícios de que a quadrilha fazia parte de uma facção criminosa e também atuava no contrabando de armas de calibre restrito.
Os investigados poderão ser indiciados pelos crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico, organização criminosa e lavagem de dinheiro, cujas penas somadas podem ultrapassar 30 anos.