Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Ensino Superior

11/02/2020 - 14h49min. Alterada em 11/02 às 15h03min

Weintraub minimiza erros do Enem e Sisu e volta a falar que foi melhor edição histórica

Ele voltou a falar que a última edição do exame foi a melhor de todos os tempos

Ele voltou a falar que a última edição do exame foi a melhor de todos os tempos


Marcelo Camargo/Agência Brasil/JC
Folhapress
Na primeira aparição pública, 24 dias após a divulgação de erros no Enem, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, minimizou as falhas no exame e no Sisu e disse que governo sofre "chuva de fake news".
Na primeira aparição pública, 24 dias após a divulgação de erros no Enem, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, minimizou as falhas no exame e no Sisu e disse que governo sofre "chuva de fake news".
Weintraub participa desde as 11h desta terça-feira (11) de audiência na Comissão de Educação do Senado. O ministro do governo Jair Bolsonaro foi convidado a comparecer à Casa para prestar esclarecimentos sobre os erros do Enem 2019 e do Sisu.
Ele voltou a falar que a última edição do exame foi a melhor de todos os tempos. "Eu não prometi que seria, mais foi o melhor Enem de todos os tempos. Não estou falando que não teve nenhum erro, que foi perfeito", disse.
"Não houve fraude, furto de prova, vazamento de questão, esquema com gráfica, nada do que caracterizava o Enem dos passados", diz. Mesmo sem apresentar provas, Weintraub disse que o erro mesmo ocorrida na edição 2019 "provavelmente ocorreu" em anos anteriores.
O ministro havia dito que o Enem 2019 havia sido o melhor de todos os tempos mas no dia seguinte assumiu os erros com notas do Enem. O governo informou que 5.974 candidatos tiveram notas divulgadas com erros e depois o desempenho foi corrigido.
Nesta terça-feira, Weintraub disse que, desses 5.974 participantes com erros nas notas, 874 eram candidatos treineiros (que ainda não terminaram o ensino médio). A nota dos treineiros ainda não foi divulgada.
O Sisu (Sistema de Seleção Unificada), que reúne as vagas de instituições que usam a nota do Enem para selecionar alunos, acumulou uma série de falhas. O último erro foi na transmissão da relação de aprovados a partir da lista de espera, o que atrasou a convocação por parte das universidades federais.
Aos senadores, Weintraub disse que compareceu à audiência para "quebrar um pouco a chuva de fake news que nos deparamos". O ministro disse que se manteve em silêncio nesse período por causa das ações judiciais com questionamentos do Enem e insistiu que não houve prejuízo a nenhum participante.
A falha na última edição teve o maior número de afetados diretos desde 2010. Há um histórico de erros no Enem desde 2009, mas o MEC não comete falhas com um número tão elevado de afetados desde 2010. Além disso, o tipo de problema registrado foi inédito na história do exame.
De acordo com Weintraub, foi ele mesmo que identificou as reclamações sobre notas nas redes sociais e repassou ao Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais). "Antes de abrir o Sisu já havíamos detectado o erro e nós avisamos a imprensa, comunicamos as pessoas", disse.
Além de falar sobre Enem, o ministro apresentou um resumo de ações do MEC.