Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

saúde

11/02/2020 - 14h05min. Alterada em 11/02 às 14h05min

Coronavírus: Há 42.708 casos confirmados na China, com 1.017 mortes, diz OMS

"Potencial de ter mais consequências ruins do que um ataque terrorista", afirmou Ghebreyesus

"Potencial de ter mais consequências ruins do que um ataque terrorista", afirmou Ghebreyesus


ARTE/FOTO GOVERNO CHINÊS/DIVULGAÇÃO/JC
A Organização Mundial da Saúde (OMS) atualizou nesta terça-feira (11), o número de pessoas infectadas pelo coronavírus na China para 42.708, com 1.017 mortes. No resto do mundo, são 393 casos em 24 países e uma morte, nas Filipinas. Em coletiva de imprensa em Genebra, na Suíça, representantes da entidade informaram que, entre hoje e quarta-feira (12), mais de 400 cientistas estarão reunidos na cidade para avaliar a situação da doença. O diretor-geral da Organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou que a comunidade internacional precisa agir com urgência para evitar que a epidemia tenha impactos globais. "Um vírus tem o potencial de ter mais consequências ruins do que um ataque terrorista", afirmou Ghebreyesus.
A Organização Mundial da Saúde (OMS) atualizou nesta terça-feira (11), o número de pessoas infectadas pelo coronavírus na China para 42.708, com 1.017 mortes. No resto do mundo, são 393 casos em 24 países e uma morte, nas Filipinas. Em coletiva de imprensa em Genebra, na Suíça, representantes da entidade informaram que, entre hoje e quarta-feira (12), mais de 400 cientistas estarão reunidos na cidade para avaliar a situação da doença. O diretor-geral da Organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou que a comunidade internacional precisa agir com urgência para evitar que a epidemia tenha impactos globais. "Um vírus tem o potencial de ter mais consequências ruins do que um ataque terrorista", afirmou Ghebreyesus.