Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de fevereiro de 2020.
Aniversário da Casa da Moeda do Brasil.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

ensino superior

11/02/2020 - 12h47min. Alterada em 11/02 às 12h47min

Ministro da Educação presta esclarecimentos sobre erros no Enem ao Senado

Weintraub minimizou as falhas e sugeriu que o problema pode ter ocorrido em anos anteriores

Weintraub minimizou as falhas e sugeriu que o problema pode ter ocorrido em anos anteriores


TWITTER/REPRODUÇÃO/JC
Convidado pela Comissão de Educação do Senado para prestar esclarecimentos sobre erros em resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2019, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, minimizou as falhas em 5.974 notas e sugeriu que o problema que marcou a edição mais recente do exame também pode ter ocorrido em anos anteriores.
Convidado pela Comissão de Educação do Senado para prestar esclarecimentos sobre erros em resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2019, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, minimizou as falhas em 5.974 notas e sugeriu que o problema que marcou a edição mais recente do exame também pode ter ocorrido em anos anteriores.
"Não dá pra afirmar que sim ou que não, mas eu diria que esse tipo de problema pode ter ocorrido, sim, no passado", afirmou, nesta terça-feira (11). Weintraub voltou a tratar os erros como "susto" aos candidatos que precisaram ter as notas revistas e destacou que, na prática, 5,1 mil alunos foram afetados. Os demais fizeram o exame como treineiros.
Na abertura do pronunciamento, o ministro disse que um dos objetivos da ida dele à Comissão do Senado era "quebrar a chuva de fake news que novamente se abateu sobre o MEC".
Weintraub argumentou que a judicialização do exame foi maior em anos anteriores e que o primeiro Enem que comandou foi um sucesso. Não houve nada do que caracterizava os exames passados, afirmou.
As falhas registradas no Enem lançaram dúvidas sobre a permanência de Weintraub no cargo. O chefe da Casa Civil, ministro Onyx Lorenzoni, e o presidente Jair Bolsonaro descartaram a demissão dele. O ministro chegou à sala das comissões acompanhado pelo líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE).
Por causa do desgaste com o exame, a atual gestão do MEC é criticada no Congresso desde a retomada dos trabalhos legislativos, na semana passada. Na Comissão de Educação, Weintraub faz uma explanação de 30 minutos. Em seguida, responderá a perguntas feitas por senadores.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia