Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 11 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Acidente

11/01/2020 - 12h33min. Alterada em 11/01 às 17h12min

Mercado Público de Porto Alegre controla princípio de incêndio neste sábado

Fogo ocorreu na Estação Pastel, que foi interditada e terá de apresentar laudo para reabrir

Fogo ocorreu na Estação Pastel, que foi interditada e terá de apresentar laudo para reabrir


ALEXANDRO AULER/JC
Patrícia Comunello
Mais de seis anos após o incêndio que destruiu parte do Mercado Público de Porto Alegre, um princípio de fogo acionou alarme na área central da Capital. No começo da manhã deste sábado (11), uma fritadeira que estava sendo usada na lancheria Estação Pastel, localizada na área externa do empreendimento voltada à estação Mercado da Trensurb, provocou o início de fogo, segundo nota da Associação do Comércio do Mercado Público Central (Ascomepc).
Mais de seis anos após o incêndio que destruiu parte do Mercado Público de Porto Alegre, um princípio de fogo acionou alarme na área central da Capital. No começo da manhã deste sábado (11), uma fritadeira que estava sendo usada na lancheria Estação Pastel, localizada na área externa do empreendimento voltada à estação Mercado da Trensurb, provocou o início de fogo, segundo nota da Associação do Comércio do Mercado Público Central (Ascomepc).
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
O fato chegou a adiar em 30 minutos a abertura do mercado. "O fogo, ocasionado por uma fritadeira, foi rapidamente controlado pela equipe de permissionários treinada para agir em situações deste tipo, que acionou o Corpo de Bombeiros para concluir o serviço", informa a nota da entidade.
"A associação ressalta que os equipamentos anti-incêndio adquiridos pelos mercadeiros foram fundamentais no êxito da ação."
Dois funcionários que trabalhavam na lancheria não se feriram e ainda ajudaram os Bombeiros no combate ao fogo, diz a associação. A operação das lojas, restaurantes e bancas do prédio ocorrem normalmente. 
O estabelecimento foi interditado e terá de apresentar laudo elétrico para atestar as condições par voltar a funcionar. Agentes da EPTC atuaram na região para isolar parte do entorno na área da avenida Julio de Castilhos.
No grande incêndio de julho de 2013, o segundo andar foi o mais atingido. Ainda hoje há restrições. Em 2019, o empreendimento conseguiu o alvará dos Bombeiros. Mas ainda são necessários investimentos em recuperação da parte elétrica.
A prefeitura quer conceder a operação do Mercado para o setor privado. Em 2019, ocorreram a consulta pública e audiências. Houve questionamentos tanto de permissionários quanto do Ministério Público de Contas sobre os parâmetros iniciais da concessão. Hoje a gestão é da associação, que quer continuar nesta condição. A prefeitura ainda não apresentou o edital final para que interessados possam se habilitar.  
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia