Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Clima

07/01/2020 - 16h45min. Alterada em 07/01 às 21h36min

Fumaça dos incêndios na Austrália chega ao Rio Grande do Sul

Na segunda (6), satélites já mostravam as fumaça sobrevoando o Chile e a Argentina

Na segunda (6), satélites já mostravam as fumaça sobrevoando o Chile e a Argentina


NOOA/Reprodução/JC
A fumaça dos incêndios que cobrem mais de oito milhões de hectares na Austrália chegou no Rio Grande do Sul na madrugada desta terça-feira (7). Segundo a MetSul Metereologia, a maior concentração de fumaça estará sobre a região oeste do Estado. Na segunda (6), satélites já mostravam a fumaça sobrevoando o Chile e a Argentina. A nuvem não causa nenhum risco para a saúde devido à altitude em que está - um quilômetro e meio acima do nível do mar.
A fumaça dos incêndios que cobrem mais de oito milhões de hectares na Austrália chegou no Rio Grande do Sul na madrugada desta terça-feira (7). Segundo a MetSul Metereologia, a maior concentração de fumaça estará sobre a região oeste do Estado. Na segunda (6), satélites já mostravam a fumaça sobrevoando o Chile e a Argentina. A nuvem não causa nenhum risco para a saúde devido à altitude em que está - um quilômetro e meio acima do nível do mar.
A nuvem demorou uma semana para atravessar os quase 15 mil quilômetros entre a Austrália e a América do Sul, sendo carregada pela frente de ar frio que chega no Sul do País. A presença da fumaça na frente fria poderá causar uma formação mais densa de nuvens até 12 horas depois que a frente já tiver deixado a região.
Os incêndios estão queimando a Austrália desde setembro e já mataram mais de 20 pessoas e 30% dos coalas. O governo australiano tem recebido ajuda de outros países e entidades internacionais para conter o fogo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia