Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 13 de dezembro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Protestos

13/12/2019 - 17h31min. Alterada em 13/12 às 17h31min

Greve do magistério não tem previsão de término e recuperação das aulas deve seguir até fim de janeiro

A greve dos professores do Estado completa um mês neste sábado

A greve dos professores do Estado completa um mês neste sábado


LUIZA PRADO/JC
Fernanda Soprana
Após o anúncio das mudanças no pacote do funcionalismo desta quarta-feira (12), a greve do magistério deve seguir no mesmo ritmo e não tem previsão de término. Segundo a Secretaria Estadual de Educação (Seduc), as aulas devem ser recuperadas durante o mês de janeiro, incluindo sábados.
Após o anúncio das mudanças no pacote do funcionalismo desta quarta-feira (12), a greve do magistério deve seguir no mesmo ritmo e não tem previsão de término. Segundo a Secretaria Estadual de Educação (Seduc), as aulas devem ser recuperadas durante o mês de janeiro, incluindo sábados.
A greve dos professores do âmbito estadual completa um mês neste sábado (14). O término do ano letivo estava previsto para quinta-feira (19). De acordo com a Seduc, dependendo da continuidade da paralisação, as aulas podem se estender até fevereiro.
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
Segundo a secretária-geral do Cpers, Candida Rossetto, a obrigação de recuperar as aulas é do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite. “Nós conhecemos muito bem a legislação. Nós temos a obrigação de completar os 200 dias letivos. Quando fazemos greve, somos pagos para recuperar as aulas. Não vamos recuperar aulas que não recebemos para dar”, afirmou a professora aposentada.
A justiça negou a liminar do Cpers sobre o corte no ponto dos professores no dia 4 de dezembro. “Os professores têm direito a 45 dias de férias durante o ano. Temos obrigação de cumprir com as aulas, mas o governo tem a obrigação de nos pagar”.
Os alunos de 3º ano estão concluindo o ensino médio e, possivelmente, prestando o vestibular. Segundo Rossetto, o aluno que for realizar as provas para ingresso em universidades deve levar um atestado que diz que está cursando o último ano. “Nós não temos intenção de prejudicar nenhum aluno. Eles estão nos apoiando massivamente. Se houver algum problema, o governador precisa resolver isso”, afirma.
Sobre os alunos de 3º ano, a Seduc não forneceu orientação. Segundo a secretaria, o diploma só será entregue após recuperação das aulas e cada caso deve ser analisado individualmente.
Segundo balanço da Secretaria Estadual da Educação (Seduc), atualizado na manhã desta sexta-feira (13), 331 escolas estaduais aderem totalmente à greve, e cerca de 650 se mantêm com paralisação parcial. “Mais de 60% das atividades se mantêm, e pode ser um ou dois funcionários que aderiram à paralisação”, afirmou a secretaria, em nota. No último balanço do Cpers-Sindicato, do dia 5 de dezembro, do total de 2.500 escolas no Estado, 1.539 aderiram à greve - parcial ou totalmente.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia