Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 13 de dezembro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

funcionalismo

13/12/2019 - 12h17min. Alterada em 13/12 às 12h17min

Cpers aponta 'mesmos problemas' em novo pacote apresentado por Leite

Categoria seguirá em greve semana que vem, quando a tramitação do pacote está prevista para acontecer

Categoria seguirá em greve semana que vem, quando a tramitação do pacote está prevista para acontecer


LUIZA PRADO/JC
Um dia após o anúncio de mudanças no pacote que altera o plano de carreiras dos professores, o Cpers Sindicato criticou as alterações propostas pelo governador Eduardo Leite. Durante coletiva de imprensa na manhã desta sexta-feira (13), a presidente da entidade, Helenir Schurer, disse que não viu avanços na nova proposta, alegando que o "principal problema" continua, que se constitui "na própria categoria pagando pelos reajustes".
Um dia após o anúncio de mudanças no pacote que altera o plano de carreiras dos professores, o Cpers Sindicato criticou as alterações propostas pelo governador Eduardo Leite. Durante coletiva de imprensa na manhã desta sexta-feira (13), a presidente da entidade, Helenir Schurer, disse que não viu avanços na nova proposta, alegando que o "principal problema" continua, que se constitui "na própria categoria pagando pelos reajustes".
Helenir ressaltou que o Cpers seguirá em greve na próxima semana, acompanhando a votação do pacote na Assembleia Legislativa, prevista para tramitar no plenário entre 17 e 19 de dezembro.
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
A dirigente criticou as comparações feitas com Santa Catarina, citando que os professores do Estado vizinho possuem benefícios como gratificação de bonificação, assessoria por exercício de direção e prêmio por desempenho. Helenir também apontou como problemática a reformulação na tabela salarial do magistério, cuja diferença salarial entre os níveis passou a ser de 30%, quando antes era 100%.
"É verdade que aumentaram a diferença entre os níveis, mas no nosso plano atual é de 100%", frisou.
 
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia