Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 13 de dezembro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Rodovias

Edição impressa de 13/12/2019. Alterada em 13/12 às 03h00min

Bolsonaro pede que AGU recorra de decisão sobre volta de radares

O presidente Jair Bolsonaro determinou à Advocacia-Geral da União (AGU) que recorra da decisão judicial que impôs que o governo restabeleça a fiscalização de velocidade com radares móveis nas estradas federais. "Você é a favor da volta dos radares móveis nas rodovias federais? Determinei à AGU recorrer da decisão judicial de primeira instância", escreveu o presidente nas redes sociais.
O presidente Jair Bolsonaro determinou à Advocacia-Geral da União (AGU) que recorra da decisão judicial que impôs que o governo restabeleça a fiscalização de velocidade com radares móveis nas estradas federais. "Você é a favor da volta dos radares móveis nas rodovias federais? Determinei à AGU recorrer da decisão judicial de primeira instância", escreveu o presidente nas redes sociais.
Ele abriu uma enquete em sua conta do Facebook perguntando se os cidadãos são favoráveis à volta dos radares. Na quarta-feira, o juiz Marcelo Gentil Monteiro, da 1ª Vara Federal da Justiça de Brasília, deu 72 horas para que a Polícia Rodoviária Federal (PRF) tomasse as providências necessárias para a volta da fiscalização eletrônica, sob pena de multa diária de R$ 50 mil, a ser aplicada à União.
Em agosto, Bolsonaro determinou, por meio de um despacho, que a PRF interrompesse o uso de "medidores de velocidade estáticos, móveis e portáteis" até que o Ministério da Infraestrutura concluísse uma reavaliação da regulamentação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia