Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de dezembro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

saúde

Alterada em 03/12 às 15h54min

Anvisa rejeita cultivo de maconha para fins medicinais

O único conselheiro a votar a favor foi o diretor-presidente William Dib

O único conselheiro a votar a favor foi o diretor-presidente William Dib


EDILSON RODRIGUES/AGÊNCIA SENADO/JC
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu arquivar a proposta de resolução que previa autorizar o plantio de maconha por empresas para fins medicinais. A proposta do relator foi rejeitada por três votos a um. O único conselheiro a votar a favor foi o diretor-presidente William Dib.
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu arquivar a proposta de resolução que previa autorizar o plantio de maconha por empresas para fins medicinais. A proposta do relator foi rejeitada por três votos a um. O único conselheiro a votar a favor foi o diretor-presidente William Dib.
Nesta terça-feira (3), mais cedo, a Anvisa aprovou o registro e venda de medicamentos à base de maconha em farmácias do país. Em linha com a posição do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Cidadania, Osmar Terra, o conselheiro da Anvisa Antonio Barra votou contra a autorização para que empresas façam o plantio controlado de maconha para fins medicinais. Barra foi indicado ao cargo pelo presidente. Em um voto de mais de duas horas, o conselheiro argumentou que o processo não foi conduzido devidamente na Agência.
Segundo Barra, a Anvisa não realizou estudos profundos e tampouco consultou adequadamente ministérios e autoridades relacionadas ao tema, tanto na área de Segurança Pública quanto nas áreas da Saúde, Economia e Agricultura. Durante exposição, Barra argumentou que a forma como foi conduzida a discussão prejudica o processo e deixa o país vulnerável à ação de grupos criminosos e impactos no Sistema Único de Saúde (SUS). Após a leitura de diversas consultas a pastas do governo, Barra foi taxativo:
"Fica claro que órgãos protagonistas de segurança pública não foram adequadamente envolvidos nas discussões tratadas", disse Barra, acrescentando ao longo do voto: "Está claro que a Anvisa não pode decidir sozinha sobre assuntos tratados nesse voto."
"Na citada lei não consta atribuição da Anvisa no sentido de autorizar e regular o cultivo de plantas sujeitas a controle especial. De forma geral, o ponto de partida são as drogas, os produtos prontos e não os materiais e processos que geram esses insumos. Destaca-se que a Anvisa está atuando como promotora de uma atividade nova no país, que, no mínimo, demandaria autorização de outros órgãos do governo. A agência tem objetivo claro que é regular e atuar em atividades que já existam, nas quais obviamente sejam identificados risco sanitário e consequente necessidade de atuação"- afirmou durante o voto.
No início da reunião desta terça, a agência, por unanimidade, decidiu regulamentar o registro de medicamentos à base de cannabis. A norma entrará em vigor 90 dias após a publicação e deverá ser revista três anos após a publicação no Diário Oficial.
Agência O Globo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia