Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de dezembro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

CORRIGIR

Saúde

03/12/2019 - 03h00min. Alterada em 03/12 às 03h00min

Brasil poderá ter vacina contra a dengue

No Rio de Janeiro para divulgar outra frente de ação contra a dengue - a de liberação de mosquitos Aedes aegypti infectados com a bactéria Wolbachia, que reduz a capacidade de os insetos transmitirem dengue, chikungunya e zika -, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse acreditar que, em um ano, o Brasil terá uma vacina contra a doença, produzida pelo Instituto Butantan, de São Paulo.
No Rio de Janeiro para divulgar outra frente de ação contra a dengue - a de liberação de mosquitos Aedes aegypti infectados com a bactéria Wolbachia, que reduz a capacidade de os insetos transmitirem dengue, chikungunya e zika -, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse acreditar que, em um ano, o Brasil terá uma vacina contra a doença, produzida pelo Instituto Butantan, de São Paulo.
A tecnologia começou a ser desenvolvida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em 2012 e já se mostrou eficaz. Os primeiros resultados indicaram que o uso desses insetos infectados com a Wolbachia reduziu em 75% os casos de chikungunya em 33 bairros de Niterói. No entanto, o ministério ainda não tem informação sobre a evolução dos casos de dengue e zika sob o método.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia