Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 26 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

meio ambiente

26/11/2019 - 13h32min. Alterada em 26/11 às 14h26min

Óleo encontrado em praia do Rio é idêntico ao recolhido no Nordeste, diz Marinha

Quissamã foi um dos três municípios do Rio de Janeiro a ter amostras coletas

Quissamã foi um dos três municípios do Rio de Janeiro a ter amostras coletas


Defesa Civil Quissamã/divulgação/ jc
A Marinha do Brasil confirmou na manhã desta terça-feira (26) que os fragmentos de óleo encontrados na praia de Santa Clara, em São Francisco do Itabapoana, norte do Estado do Rio, são idênticos aos detectados no vazamento de óleo que atingiu o litoral do Nordeste. O mesmo óleo já havia sido detectado em São João da Barra, também no norte fluminense.
A Marinha do Brasil confirmou na manhã desta terça-feira (26) que os fragmentos de óleo encontrados na praia de Santa Clara, em São Francisco do Itabapoana, norte do Estado do Rio, são idênticos aos detectados no vazamento de óleo que atingiu o litoral do Nordeste. O mesmo óleo já havia sido detectado em São João da Barra, também no norte fluminense.
Mais óleo já foi recolhido também na praia de Guriri, em São Francisco do Itabapoana; na praia do Barreto, em Macaé; e no Canal das Flechas, em Quissamã. Essas amostras, no entanto, ainda não foram analisadas. Até agora o Instituto de Estudo do Mar Almirante Paulo Moreira (IEAPM) analisou somente o matéria da praia de Santa Clara.
Desde o início da primeira ocorrência de vazamento de óleo, foram atingidas 772 localidades. Ainda não há conclusões sobre o navio responsável pelo vazamento nem quanto óleo ainda pode estar no mar.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia