Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 26 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Estradas

25/11/2019 - 20h02min. Alterada em 26/11 às 11h08min

Liberação da ERS-122 depende de detonação de rochas de encosta

Rocha da encosta projetada ameaça cair sobre a rodovia e terá se ser detonada para liberar tráfego

Rocha da encosta projetada ameaça cair sobre a rodovia e terá se ser detonada para liberar tráfego


LIANA RAMOS CARVALHO/ASCOM/DIVULGAÇÃO/JC
Patrícia Comunello
A liberação do tráfego na ERS-122, entre Farroupilha e São Vendelino, na serra gaúcha, depende agora da detonação de uma rocha que corre risco de cair na rodovia. Depois, será feita a recomposição da pavimentação, informa o Departamento Estadual de Estradas de Rodagem (Daer). Com isso, não há previsão de liberação do tráfego. Há rotas alternativas na região.
A liberação do tráfego na ERS-122, entre Farroupilha e São Vendelino, na serra gaúcha, depende agora da detonação de uma rocha que corre risco de cair na rodovia. Depois, será feita a recomposição da pavimentação, informa o Departamento Estadual de Estradas de Rodagem (Daer). Com isso, não há previsão de liberação do tráfego. Há rotas alternativas na região.
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
O Daer adverte que motoristas estão removendo cones para passar pelo trecho, expondo os ocupantes dos veículos e a si mesmos a riscos. Houve casos de veículos de transporte escolar flagrados fazendo a manobra para passar na lateral das pedras.
A obstrução é no km 43 e ocorreu em função de chuvas em 4 de novembro. O Daer informou ainda que a queda da encosta é a maior registrada em estradas do Rio Grande do Sul em 19 anos. As chuvas acabaram gerando novas quedas de rochas
Uma empresa foi contratada para perfurar o material e planejar a detonação com explosivos, explicou o  diretor de Operação Rodoviária do departamento, Sandro Wagner Vaz dos Santos. "Vamos fazer o desmonte da rocha que está projetada na rodovia e com risco de queda", explica Santos. "Temos de desmontar a rocha por meio de uma detonação controlada, pois tem casas na encosta", esclarece o diretor. Furos de até 15 metros de profundidade são feitos na rocha para colocar os explosivos.
A detonação pode ser feita ainda esta semana, mas tudo dependerá do clima, informa o órgão. Se voltar a chover, o procedimento pode ser adiado. O procedimento servirá para estabilizar o talude. Depois da ação, será feita a limpeza para retirada das rochas. A recomposição do asfalto vai atingir até oito metros do trecho. 
A alternativa para motoristas que seguirem em direção a Porto Alegre é tomar a RSC-453 e a ERS-446, entre Carlos Barbosa e São Vendelino. Quem estiver em Farroupilha pode atravessar Bento Gonçalves e passar pela ERS-446, em Carlos Barbosa, até a ERS-122, em São Vendelino. Ou, por Alto Feliz e Carlos Barbosa, sem precisar passar por Bento Gonçalves.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia