Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de novembro de 2019.
Dia do Bandeirante.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Itália

Edição impressa de 14/11/2019. Alterada em 14/11 às 03h00min

Veneza declara zona de desastre após maré recorde

Praça de São Marcos ficou debaixo de um metro de água

Praça de São Marcos ficou debaixo de um metro de água


/MARCO BERTORELLO/AFP/JC
Veneza foi declarada zona de desastre, nesta quarta-feira, pelo prefeito Luigi Brugnaro. A cidade italiana foi tomada pela água durante a madrugada, inundando sua basílica histórica, praças e travessas. A enchente é a segunda maior já registrada na cidade.
Veneza foi declarada zona de desastre, nesta quarta-feira, pelo prefeito Luigi Brugnaro. A cidade italiana foi tomada pela água durante a madrugada, inundando sua basílica histórica, praças e travessas. A enchente é a segunda maior já registrada na cidade.
A mídia italiana relatou ao menos duas mortes em decorrência da enxurrada. Uma moradora de Pellestrina, uma das muitas ilhas da lagoa veneziana, morreu ao ser atingida por um raio enquanto usava uma bomba de água elétrica, informou o corpo de bombeiros local.
Autoridades municipais disseram que o nível da água chegou a 187 centímetros às 22h50min de terça-feira, pouco abaixo do recorde de 194 centímetros, registrado em 1966. Imagens noturnas mostraram uma torrente de água atiçada por ventos fortes se arrastando pelo Centro da cidade.
A praça de São Marcos ficou debaixo de mais de um metro de água, e a Basílica de São Marcos adjacente foi inundada pela sexta vez em 1,2 mil anos - sendo que quatro ocorreram nos últimos 20 anos. A última foi registrada em 2018.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia