Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

CORRIGIR

Meio Ambiente

07/11/2019 - 03h00min. Alterada em 07/11 às 03h00min

Inpe vai monitorar mais quatro biomas, entre eles o Pampa

Até o fim do ano começaram a ser disponibilizados dados periódicos sobre o desmatamento nos biomas Caatinga, Pampa, Mata Atlântica e Pantanal. O sistema está sendo estruturado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) em um projeto apoiado pelo Fundo Amazônia com financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O custo do projeto foi estimado em R$ 49,8 milhões.

O mapeamento é feito no mesmo modelo do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), que também é usado para acompanhar a destruição da vegetação nativa no Cerrado. O monitoramento na Amazônia é feito desde 1988 e o do Cerrado, desde 2014. O sistema que vai englobar os demais biomas começou a ser desenvolvido em 2017.

Segundo o coordenador do Programa de Monitoramento da Amazônia e Demais Biomas do Inpe, Cláudio Almeida, os primeiros dados deverão ser divulgados ainda este ano. Será possível ver o que houve de supressão de vegetação nos quatro biomas desde 2016 até 2019. A partir de 2020, serão publicados, de acordo com o pesquisador, relatórios anuais.

Os dados preliminares mostram que, até 2016, haviam sido suprimidos 43,8% da vegetação nativa do Pampa e 15,5% do Pantanal. De acordo com Almeida, apesar do ritmo de desmatamento nessas regiões ser menor do que no Cerrado e na Amazônia, tais biomas também sofrem com destruição contínua. "Nos outros biomas ainda se percebe uma pressão, não com a intensidade que existe nas fronteiras agrícolas, como Cerrado e Amazônia", enfatizou. 
Até o fim do ano começaram a ser disponibilizados dados periódicos sobre o desmatamento nos biomas Caatinga, Pampa, Mata Atlântica e Pantanal. O sistema está sendo estruturado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) em um projeto apoiado pelo Fundo Amazônia com financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O custo do projeto foi estimado em R$ 49,8 milhões.

O mapeamento é feito no mesmo modelo do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), que também é usado para acompanhar a destruição da vegetação nativa no Cerrado. O monitoramento na Amazônia é feito desde 1988 e o do Cerrado, desde 2014. O sistema que vai englobar os demais biomas começou a ser desenvolvido em 2017.

Segundo o coordenador do Programa de Monitoramento da Amazônia e Demais Biomas do Inpe, Cláudio Almeida, os primeiros dados deverão ser divulgados ainda este ano. Será possível ver o que houve de supressão de vegetação nos quatro biomas desde 2016 até 2019. A partir de 2020, serão publicados, de acordo com o pesquisador, relatórios anuais.

Os dados preliminares mostram que, até 2016, haviam sido suprimidos 43,8% da vegetação nativa do Pampa e 15,5% do Pantanal. De acordo com Almeida, apesar do ritmo de desmatamento nessas regiões ser menor do que no Cerrado e na Amazônia, tais biomas também sofrem com destruição contínua. "Nos outros biomas ainda se percebe uma pressão, não com a intensidade que existe nas fronteiras agrícolas, como Cerrado e Amazônia", enfatizou. 

Os dados do monitoramento, também vão embasar os inventários de emissões de gases do efeito estufa apresentados pelo Brasil nas conferências do clima das Nações Unidas.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia