Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

saúde

- Publicada em 21h28min, 22/09/2019. Atualizada em 21h28min, 22/09/2019.

Estado é o 2º em exercício ilegal da oftalmologia

Quando uma pessoa consulta um não médico, ela perde a oportunidade de diagnosticar doenças graves

Quando uma pessoa consulta um não médico, ela perde a oportunidade de diagnosticar doenças graves


CLAUDIO FACHEL/ARQUIVO/JC
Gabriela Porto Alegre
O Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) já registrou, em 2019, 28 representações contra o exercício ilegal da oftalmologia no Rio Grande do Sul por profissionais não médicos que atendem em óticas e orientam a utilização de óculos ou lentes de contato à população. Em números de denúncias, o Estado fica atrás apenas de São Paulo, com cerca de 38 denúncias de exercício irregular da profissão.
O Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) já registrou, em 2019, 28 representações contra o exercício ilegal da oftalmologia no Rio Grande do Sul por profissionais não médicos que atendem em óticas e orientam a utilização de óculos ou lentes de contato à população. Em números de denúncias, o Estado fica atrás apenas de São Paulo, com cerca de 38 denúncias de exercício irregular da profissão.
Segundo a presidente da Sociedade de Oftalmologia do Rio Grande do Sul (Sorigs), Terla Castro, tal prática é ilegal, uma vez que apenas médicos registrados junto aos Conselhos de Medicina são autorizados a darem prescrição médica e fazerem exames oftalmológicos que identifiquem a necessidade de utilização de óculos. "Com o exame, mais de três mil doenças podem ser identificadas. Quando uma pessoa consulta um não médico, ela perde a oportunidade de diagnosticar doenças graves que podem levar à cegueira", disse. "Ao menos 60% das doenças podem ser prevenidas se diagnosticadas precocemente, por isso faz-se necessário acompanhamento médico adequado. Tudo isso tem um único objetivo: proteger a saúde da população", completou Terla.
Além da não prevenção das doenças que podem levar à cegueira, há outra situação que pode levar a problemas irreversíveis: o uso de lentes de contato sem prescrição médica. "É preciso fazer exames para saber se não há olho seco, por exemplo, e o grau que deve ser adaptado ao paciente. Uma catarata e uma retinopatia podem alterar o grau da prescrição. É preciso entender o que está acontecendo no olho do paciente para que a lente possa efetivamente auxiliar no problema", explicou. "Isso é uma função exclusivamente do oftalmologista", afirmou.
De acordo com a resolução 1.965/2011, do Conselho Federal de Medicina, a adaptação de um paciente à utilização de lentes de contato deve ser feita, exclusivamente, por um médico, tendo em vista que só esse especialista tem o preparo adequado para avaliar os riscos associados ao uso. "A córnea é composta por diferentes camadas, sendo o endotélio uma camada de células que não se regenera e é a mais importante por ter a função de manter a integridade e transparência da córnea. Ela, por sua vez, é agredida pelo uso incorreto de lentes de contato, uma vez que as lentes impedem a córnea de receber oxigênio do ar adequadamente".
Comentários CORRIGIR TEXTO