Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 13 de setembro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Incêndio

13/09/2019 - 11h24min. Alterada em 13/09 às 11h26min

Calor e fumaça dificultam perícia de incêndio em hospital no Rio de Janeiro

Onze pessoas morreram e dezenas tiveram de ser transferidos para outros hospitais

Onze pessoas morreram e dezenas tiveram de ser transferidos para outros hospitais


Mauro Pimentel/AFP/JC
Estadão Conteúdo
O incêndio que começou na noite de quinta-feira (12) no Hospital Badim, unidade no Maracanã, na zona norte do Rio, foi controlado, mas os trabalhos de perícia e investigação ainda não começaram por causa do calor e da fumaça que ainda tomam conta do edifício. A informação é do delegado titular da 18ª Delegacia de Polícia, Roberto Ramos.
O incêndio que começou na noite de quinta-feira (12) no Hospital Badim, unidade no Maracanã, na zona norte do Rio, foi controlado, mas os trabalhos de perícia e investigação ainda não começaram por causa do calor e da fumaça que ainda tomam conta do edifício. A informação é do delegado titular da 18ª Delegacia de Polícia, Roberto Ramos.
"Há muita fuligem, o local ainda está quente, com muita fumaça. Por isso, estamos aguardando para ter um acesso melhor. Estamos conversando com engenheiros para saber o layout de toda a estrutura do hospital para encontrar os possíveis focos do incêndio", afirmou Ramos, na manhã desta sexta-feira, 13, na porta do hospital.
Onze pessoas morreram no incêndio e dezenas de pacientes tiveram de ser transferidos para outros hospitais. Na quinta, o Corpo de Bombeiros confirmou a morte de uma pessoa e nesta sexta, de outras dez.
O hospital informou que um curto-circuito no gerador do prédio 1 da unidade de saúde provocou o início das chamas, que espalharam fumaça para todos os andares do prédio. O delegado Ramos evitou antecipar conclusões sobre o foco original do incêndio. "Estamos verificando essa possibilidade. Sabemos que o fogo chegou ao gerador, mas estamos vendo um foco primário, para saber se realmente foi o gerador ou não", disse Ramos.
Segundo o delegado, os peritos da Polícia Civil ficarão de plantão para fazer a perícia no local do incêndio. Por conta das dificuldades, Ramos evitou dar um prazo para conclusão dos trabalhos, que, segundo ele, poderão tomar todo o dia de sexta e entrar pelo fim de semana, se for necessário.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia