Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de setembro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

11/09/2019 - 11h14min. Alterada em 11/09 às 13h59min

Fiscalização apreende 3,5 toneladas de pescado sem procedência em Porto Alegre

Fiscalização flagrou irregularidades como falta de procedência e problemas na rotulagem dos pescados

Fiscalização flagrou irregularidades como falta de procedência e problemas na rotulagem dos pescados


RICARDO GIUSTI/PMPA/JC
Uma inspeção de rotina resultou na apreensão de 3,5 toneladas de pescado no começo da manhã desta quarta-feira (11) na área do Mercado Público em Porto Alegre. As irregularidades incluíam falta de procedência e problemas na rotulagem dos alimentos. Segundo a prefeitura, quase a totalidade da carga era de peixe fresco. Trezentos quilos eram de variedades congeladas.
Uma inspeção de rotina resultou na apreensão de 3,5 toneladas de pescado no começo da manhã desta quarta-feira (11) na área do Mercado Público em Porto Alegre. As irregularidades incluíam falta de procedência e problemas na rotulagem dos alimentos. Segundo a prefeitura, quase a totalidade da carga era de peixe fresco. Trezentos quilos eram de variedades congeladas.
Três caminhões foram fiscalizados ao chegarem no entorno do mercado, no Centro Histórico na Capital. Veterinários da Vigilância Sanitária, fiscais da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (SMDE) e e agentes da Delegacia do Consumidor (Decon). 
Um dos veículos de Rio Grande levava parte da carga sem procedência, que foi apreendida. Parte acabou sendo liberada para abastecer peixarias do Mercado Público. 
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/09/11/206x137/1_eelqqmcxyaagdwq-8840978.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5d78fe5f4e368', 'cd_midia':8840978, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/09/11/eelqqmcxyaagdwq-8840978.jpg', 'ds_midia': 'Ação de fiscalização de cargas de pescados, no Mercado Público de Porto Alegre', 'ds_midia_credi': 'Polícia Civil/divulgação/JC', 'ds_midia_titlo': 'Ação de fiscalização de cargas de pescados, no Mercado Público de Porto Alegre', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '600', 'align': 'Left'}

Peixe fresco estava em caminhão com origem em Rio Grande. Foto: Polícia Civil

Outro caminhão era de São Lourenço do Sul e transportava carga sem rotulagem adequada. O terceiro veículo era de Itajaí, em Santa Catarina, e foi liberado após a fiscalização por não ter nenhuma irregularidade, segundo a SMDE. 
O pescado apreendido foi encaminhado para descarte, sendo que 800 quilos serão usados para alimentação animal no Zoológico de Sapucaia do Sul. O restante foi destinado a uma fábrica de ração. O caminhão de Rio Grande foi encaminhado à Delegacia do Consumidor (Decon) para o flagrante. Os donos vão responder por crime de dano ao consumidor, previsto na Lei 8137.
No fim da manhã, a Associação do Comércio do Mercado Público Central (Ascomepc) divulgou nota esclarecendo que "todo o pescado comercializado no Mercado Público tem procedência comprovada por meio de nota fiscal". Sobre a inspeção, a associação diz que a ação foi provocada por uma denúncia anônima indicando as irregularidades. "O problema ocorreu com o transportador, uma vez que nenhuma caixa para o Mercado Público era de peixe congelado, tanto que a fiscalização liberou o produto para os comerciantes", completa a nota.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia