Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de setembro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Ensino Superior

10/09/2019 - 18h59min. Alterada em 10/09 às 18h59min

Sem RUs, estudantes da UFSC entram em greve por tempo indeterminado

Os estudantes que participaram da assembléia se cadastraram e receberam um cartão amarelo para a votação

Os estudantes que participaram da assembléia se cadastraram e receberam um cartão amarelo para a votação


Jean Reaupp/NSCTV/Reprodução/JC
Os cortes no orçamento da educação promovidos pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL) resultaram na primeira Instituições Federais de Ensino Superior (Ifes) a decidir pela paralisação das atividades. Em assembleia geral realizada na tarde de terça-feira (10), os estudantes da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) optaram por começar uma greve geral, por tempo indeterminado, contra as restrições no orçamento. A falta de verbas já impede o funcionamento dos Restaurantes Universitários (RUs), item essencial para manter muitos estudantes no ensino. 
Os cortes no orçamento da educação promovidos pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL) resultaram na primeira Instituições Federais de Ensino Superior (Ifes) a decidir pela paralisação das atividades. Em assembleia geral realizada na tarde de terça-feira (10), os estudantes da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) optaram por começar uma greve geral, por tempo indeterminado, contra as restrições no orçamento. A falta de verbas já impede o funcionamento dos Restaurantes Universitários (RUs), item essencial para manter muitos estudantes no ensino. 
Em nota, o Diretório Central dos Estudantes (DCE) Luís Travassos informou que a escolha se deu “por ampla maioria”, e que em breve a entidade irá divulgar “a Carta de Deflagração da Greve, com todas as bandeiras de reinvidicação aprovadas em Assembleia Geral Estudantil”. Os grevistas defendem ainda uma paralisação nacional do setor. Durante a assembleia, também foi proposta como pauta a pressão contra o projeto Future-se, do governo federal.
As primeiras movimentações começaram na quinta-feira (15), quando 15 cursos da UFSC entraram em greve. Na segunda (9), o número já era 50.
A Associação dos Professores da UFSC (Apufsc) anunciou a convocação de uma assembleia geral da categoria para o próximo dia 16, quando irão debater a situação na universidade e colocar em regime de votação a adesão à greve. São 2,7 mil professores aptos a votar, e o resultado está previsto para quinta-feira (19).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia