Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de setembro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Meio Ambiente

10/09/2019 - 16h11min. Alterada em 10/09 às 16h11min

Mato Grosso decreta situação de emergência por causa de queimadas

A situação de emergência terá duração de 60 dias, podendo ser prorrogado por igual período.

A situação de emergência terá duração de 60 dias, podendo ser prorrogado por igual período.


JOÃO LAET/AFP/JC
Agência Brasil
O governador de Mato Grosso, Mauro Mendes, decretou situação de emergência no estado em decorrência dos incêndios florestais. A decisão foi tomada após o aumento no número de queimadas e pelas condições climáticas, que propiciam a propagação do fogo. Pelos próximos 20 dias, não há previsão de chuvas no Mato Grosso, conforme informações do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).
O governador de Mato Grosso, Mauro Mendes, decretou situação de emergência no estado em decorrência dos incêndios florestais. A decisão foi tomada após o aumento no número de queimadas e pelas condições climáticas, que propiciam a propagação do fogo. Pelos próximos 20 dias, não há previsão de chuvas no Mato Grosso, conforme informações do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).
Com o decreto, assinado segunda-feira (9) e publicado no Diário Oficial de Mato Grosso nesta terça (10), o governo está autorizado a comprar bens e materiais mediante dispensa de licitação. A situação de emergência terá duração de 60 dias, podendo ser prorrogado por igual período.
De acordo com os dados oficiais, Mato Grosso registrou 8.030 focos de calor em agosto deste ano, um crescimento de 230% em relação ao mesmo período de 2018, tendo como base os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).
O estado também sofre com um período de estiagem de quatro meses, que abrange diversas regiões, como o Vale do Rio Cuiabá. Além disso, a baixa umidade relativa do ar no período, variando entre 7% e 20%, é considerada crítica pelo governo e aumenta o risco de incêndios florestais e problemas de saúde.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia