Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de agosto de 2019.
Dia do Economista .

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

educação

13/08/2019 - 11h18min. Alterada em 13/08 às 12h57min

Ato nacional pela educação tem adesão fraca na rede estadual gaúcha

No Colégio Júlio de Castilhos, um dos maiores da rede pública, as aulas foram totalmente suspensas

No Colégio Júlio de Castilhos, um dos maiores da rede pública, as aulas foram totalmente suspensas


LUIZA PRADO/JC
Os protestos pelo Dia Nacional da Educação marcados para esta terça-feira (13) em todo o País iniciaram com adesão fraca nas escolas da rede estadual do Rio Grande do Sul, conforme levantamento da Secretaria de Estadual de Educação (Seduc). Em Porto Alegre, cerca de 40 escolas aderem ao ato. Não há registro de escolas municipais sem aulas.
Os protestos pelo Dia Nacional da Educação marcados para esta terça-feira (13) em todo o País iniciaram com adesão fraca nas escolas da rede estadual do Rio Grande do Sul, conforme levantamento da Secretaria de Estadual de Educação (Seduc). Em Porto Alegre, cerca de 40 escolas aderem ao ato. Não há registro de escolas municipais sem aulas.
Do total de 274 escolas estaduais da capital gaúcha, somente 93 responderam ao levantamento da pasta. Dessas, 14 aderiram totalmente à paralisação e outras 25 parcialmente. No interior do Estado, a adesão é menor, com poucos colégios fechados. A secretaria não soube informar o número exato de escolas sem aulas por coordenadoria regional. 
No Colégio Estadual Júlio de Castilhos, um dos maiores da rede pública, as aulas foram totalmente suspensas. De acordo com uma funcionária da escola, somente a secretaria e a coordenação estavam abertas. Nenhuma manifestação de estudantes era vista em frente à escola pela manhã e os corredores estavam vazios.
As mobilizações devem ganhar corpo durante a tarde. Às 14h, um grande ato convocado pelo Cpers/Sindicato está marcado para ocorrer na Praça da Matriz, no Centro Histórico de Porto Alegre. Também estão programados atos organizados por estudantes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) e da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (Ufcspa). 
Os atos estão marcados para ocorrerem durante todo o dia em mais de 150 cidades do País. Além disso, também ocorre, em Brasília, a Marcha das Mulheres Indígenas.
Os protestos criticam os cortes de verba destinados à educação anunciados pelo governo federal e contra a criação do programa Future-se, que prevê a gestão das universidades federais por organizações sociais (OSs), entidade privadas que recebem o status "social" ao comprovar eficácia e fins sociais, entre outros quesitos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia