Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de agosto de 2019.
Dia Internacional dos Povos Indígenas.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

estradas

09/08/2019 - 13h30min. Alterada em 09/08 às 13h30min

Fluxo total de veículos nas estradas cai 0,1% em julho ante junho, diz ABCR

Estadão Conteúdo
O fluxo total de veículos pelas estradas pedagiadas do País apresentou queda de 0,1% em julho em relação a junho, descontados os efeitos sazonais.
O fluxo total de veículos pelas estradas pedagiadas do País apresentou queda de 0,1% em julho em relação a junho, descontados os efeitos sazonais.
Na mesma base de comparação, o fluxo de veículos leves pelas estradas caiu 1,5%. Já as passagens dos pesados (caminhões e ônibus) pelas praças de pedágios ficaram 2,1% maiores em julho. É o que mostra o Índice de Atividade da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (Índice ABCR), calculado em parceria com a Tendências Consultoria Integrada.
"Após dois meses de resultados interanuais afetados pelo efeito greve dos caminhoneiros, o fluxo indicou em julho retorno ao padrão habitual", explica Thiago Xavier, analista da Tendências Consultoria.
De acordo com o economista, o crescimento moderado do fluxo de veículos leves e de pesados refletiu o mês com ganho de um dia útil no comparativo com o ano passado (23 x 22), mesmo que com uma atividade econômica em retomada lenta, o que influencia o ritmo do número de veículos de passeio e de carga.
"A relativa estabilidade ante ao mês de junho - quando se extraem os efeitos sazonais - reforça o movimento continuado da economia com pouco dinamismo em meses recentes", informa o analista.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia