Porto Alegre, segunda-feira, 27 de julho de 2020.
Dia do Despachante.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 27 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 22h45min, 05/08/2019. Atualizada em 22h45min, 05/08/2019.

Entidades veem programa Médicos pelo Brasil como iniciativa positiva

Gabriela Porto Alegre
Lançado recentemente pelo governo federal, o programa Médicos pelo Brasil, que substituirá gradativamente o Mais Médicos, tem gerado expectativas positivas para entidades representativas dos profissionais no Rio Grande do Sul. A iniciativa prevê, além da ampliação da oferta de vagas, melhores condições de trabalho para os profissionais.
Lançado recentemente pelo governo federal, o programa Médicos pelo Brasil, que substituirá gradativamente o Mais Médicos, tem gerado expectativas positivas para entidades representativas dos profissionais no Rio Grande do Sul. A iniciativa prevê, além da ampliação da oferta de vagas, melhores condições de trabalho para os profissionais.
Segundo o presidente do Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Sul (Simers), Marcelo Matias, o programa Médicos pelo Brasil surge com uma proposta que dá atenção à saúde da população. "O Médicos pelo Brasil é totalmente oposto ao programa Mais Médicos, que foi mal formatado e tinha uma distribuição que não funcionava. Esse novo programa passa a garantir uma lógica de equidade, que é o princípio básico do Sistema Único de Saúde (SUS)", aponta.
Notícias sobre saúde são importantes para você?
"Em Porto Alegre, por exemplo, havia aproximadamente 100 profissionais do programa Mais Médicos, enquanto faltavam profissionais no Interior do Estado. A ideia desse novo projeto é retirar os profissionais das grandes capitais, que têm como se manter, e investir nas cidades do Interior ou de difícil acesso", ressalta. Inicialmente, o programa contará com 18 mil vagas em todo o País, sendo, desse total, 13 mil destinadas às áreas de maior vazio assistencial, visando suprir as necessidades da população.
Para o presidente do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers), Eduardo Trindade, o programa representa uma iniciativa positiva para os profissionais que irão atuar pelo Médicos pelo Brasil. "O que temos hoje não é uma carência de médicos, é uma carência de oportunidades para que esses profissionais possam exercer atividades nas mais diversas localidades, porque os editais municipais são mal elaborados e não contemplam as necessidades dos médicos", afirma. "O programa Médicos pelo Brasil é uma iniciativa positiva do ponto de vista social, porque trabalhará com profissionais com titularidade reconhecida, em locais com a estrutura necessária para que sejam feitos os atendimentos."
Presidente da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), Dudu Freire acredita que o número estipulado pelo governo federal seja suficiente para preencher as vagas em aberto no Estado. "Especificamente com relação às vagas do programa Mais Médicos, aproximadamente 20% ainda não foram preenchidas ou, quando chegaram a ser preenchidas, tiveram desistências", explica.
Comentários CORRIGIR TEXTO