Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 01 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Educação

Edição impressa de 01/08/2019. Alterada em 01/08 às 03h00min

Justiça Federal garante autonomia da comissão de cotas da Ufrgs

Tribunal manteve decisão que negou o pedido de uma estudante para que a universidade reconhecesse sua vaga

Tribunal manteve decisão que negou o pedido de uma estudante para que a universidade reconhecesse sua vaga


MARCO QUINTANA/JC
O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) manteve decisão que negou o pedido de uma estudante para que a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) reconhecesse sua vaga em cota racial destinada a pessoas negras e pardas. A candidata teve a homologação da matrícula indeferida após a comissão avaliadora da universidade entender que ela não se encaixava nos requisitos necessários para o preenchimento da vaga.
O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) manteve decisão que negou o pedido de uma estudante para que a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) reconhecesse sua vaga em cota racial destinada a pessoas negras e pardas. A candidata teve a homologação da matrícula indeferida após a comissão avaliadora da universidade entender que ela não se encaixava nos requisitos necessários para o preenchimento da vaga.
A estudante prestou o vestibular da Ufrgs em 2018 e foi aprovada para o curso de Ciências Sociais, mas teve sua autodeclaração étnico-racial de pele parda negada pelo comitê da instituição. Para os avaliadores, a candidata não se enquadrava como parda. Ela interpôs recurso administrativo, uma vez que sua mãe seria negra e o pai, branco de origem alemã. A universidade negou o recurso, e a estudante ajuizou ação na 4ª Vara Federal de Porto Alegre requerendo a anulação do ato administrativo que indeferiu sua matrícula.
A Justiça Federal julgou o pedido improcedente. Com isso, a estudante apelou ao tribunal postulando a reforma da sentença. A 4ª Turma negou provimento ao recurso e manteve a decisão inicial.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia