Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

estradas

10/05/2019 - 13h16min. Alterada em 10/05 às 13h19min

Fluxo total de veículos nas estradas cai 0,7% em abril ante março, diz ABCR

Fluxo dos leves, na mesma base de comparação, se contraiu em 1,4%

Fluxo dos leves, na mesma base de comparação, se contraiu em 1,4%


JONATHAN HECKLER/JC
Estadão Conteúdo
O fluxo total de veículos pelas estradas pedagiadas do Brasil caiu 0,7% em abril, em relação a março descontados os efeitos sazonais, segundo a Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) e a Tendências Consultoria Integrada. Já o fluxo dos leves, na mesma base de comparação, se contraiu em 1,4%, enquanto o fluxo de pesados cresceu 1,4%.
"O início do segundo trimestre renova os sinais de desempenho modesto do fluxo de veículos neste ano. Os últimos resultados, inclusive, configuram um quadro de desaceleração desses indicadores que manifestam a perda de velocidade da já lenta retomada econômica em 2019", diz Thiago Xavier, analista da Tendências.
Nos últimos 12 meses, o índice total acumula queda de 1,1%, fruto da contração de 1,6% dos veículos leves e da modesta alta de 0,4% dos veículos pesados.
"O conjunto de indicadores condiz com o baixo desempenho da atividade econômica nacional, uma vez que a retomada da atividade passa, literalmente, pelo modal rodoviário", explica Xavier.
No acumulado de janeiro a abril o fluxo total cresceu 0,9% puxado por elevações de 0,5% dos leves e de 2,2% dos pesados. Sobre abril do ano passado, o fluxo total ficou estável. O fluxo dos leves caiu 0,2% e o dos pesados cresceu 0,8%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia