Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 13 de abril de 2019.
Aniversário da cidade de Fortaleza/CE. Dia dos Jovens.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Rio de Janeiro

13/04/2019 - 12h42min. Alterada em 13/04 às 13h55min

Sobe para sete mortos em desabamento no Rio; há 17 desaparecidos

Bombeiros retiram um dos corpos das vítimas; cães farejadores e drones auxiliam em buscas

Bombeiros retiram um dos corpos das vítimas; cães farejadores e drones auxiliam em buscas


FERNANDO FRAZÃO/AGÊNCIA BRASIL/JC
Estadão Conteúdo
O número de pessoas mortas no desabamento de dois edifícios construídos ilegalmente na comunidade da Muzema, na zona oeste do Rio de Janeiro, chegou a sete. Na madrugada deste sábado (13), o adolescente Hilton Guilherme Sodré, que havia sido resgatado com vida dos escombros horas antes, morreu durante cirurgia no Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea (zona sul do Rio).
Conforme o Corpo de Bombeiros, há 17 pessoas ainda desaparecidas. Desde a manhã dessa sexta-feira (12), 100 militares da corporação atuam nas buscas. Eles trabalham com o auxílio de cães farejadores, drones e helicópteros.
Os bombeiros já resgataram 15 pessoas dos escombros, das quais cinco já sem vida. Outras duas morreram em hospitais - além do adolescente, um homem que havia sido levado a um hospital particular na zona oeste. A corporação trabalha com a possibilidade de ainda encontrar sobreviventes nos escombros dos dois prédios.
"Este cenário (queda de edifício) é muito mais propício a encontrar vida (do que num deslizamento de terra), porque a gente pode trabalhar com células, pequenos habitáculos onde as pessoas podem se manter vivas", explicou o coronel Luciano Sarmento, que coordena a operação.
 
Segundo Sarmento, as buscas por sobreviventes irá continuar até o fim da operação. "Temos relatos de pessoas que sobreviveram até sete dias nessas condições. Vamos trabalhar até o fim da operação com essa possibilidade."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia