Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 26 de março de 2019.
Aniversário de Porto Alegre. Dia do Cacau.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

São Paulo

Edição impressa de 26/03/2019. Alterada em 25/03 às 01h00min

Terceiro jovem não ajudou a planejar ataque em Suzano, alega advogado

O advogado do adolescente suspeito de ser o terceiro envolvido no ataque a tiros na escola Raul Brasil, em Suzano, afirmou ontem que seu cliente está servindo de "bode expiatório" para que a polícia ofereça respostas ao crime. Marcelo Feller, que defende o jovem de 17 anos apontado por investigadores como um dos autores intelectuais do crime, afirma que seu cliente fantasiou o crime, mas não envolveu-se diretamente no planejamento do ataque, que causou a morte de cinco alunos e duas funcionárias, além do proprietário de uma locadora de veículos.
Para a Justiça, mensagens trocadas entre o jovem e Guilherme Taucci Monteiro, um dos assassinos, mostram indícios concretos da participação na organização do massacre. Feller, porém, alega o oposto, dizendo que o material demonstra "uma angústia tremenda" do terceiro jovem, que teria ficado em "estado catártico" quando percebe que o crime tinha sido perpetrado. Também ontem o criminalista apresentou petição para analisar o suposto perfil de Monteiro no Twitter.
Os dois adolescentes, segundo o advogado, fantasiaram sobre um ataque do tipo em 2015, quando tinham entre 13 e 14 anos, mas brigaram posteriormente e pararam de se falar com frequência. A amizade entre eles só teria sido reatada no começo deste ano, poucos dias antes do crime. O jovem apontado como um dos mentores do crime encontra-se internado, de forma provisória, desde 19 de março, atendendo determinação da juíza Erica Marcelina Cruz, da Vara da Infância e da Juventude.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia