Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

acidente

Alterada em 28/02 às 08h21min

Trens que se chocaram no Rio permanecem parados nos trilhos

Liberação da linha férrea não tem previsão

Liberação da linha férrea não tem previsão


Tânia Rêgo/Agência Brasil/JC
Agência Brasil
Os dois trens que colidiram nessa quarta-feira (27) na zona norte do Rio de Janeiro continuam na linha A da estação São Cristóvão, mais de 24 horas após o acidente. A Supervia, concessionária que opera o sistema, não deu prazo para a desobstrução da linha férrea.
A situação afeta a operação do Ramal Deodoro, na manhã desta quinta-feira (28). De acordo com a Supervia, os trens paradores deste ramal circulam com intervalos irregulares e as composições com sentido à Central do Brasil não fazem parada na estação São Cristóvão.
Já as que vão para Deodoro não param na estação Praça da Bandeira. A concessionária informou ainda que as viagens expressas do ramal Deodoro, assim como os demais ramais do sistema, operam normalmente.
O trabalho de remoção das composições envolvidas no acidente começou na tarde desta quarta-feira, logo após o fim da operação de resgate do maquinista Rodrigo da Silva Ribeiro Assumpção, que foi retirado com vida das ferragens após mais de sete horas, mas morreu vítima de uma parada cardíaca.
Rodrigo era funcionário da Supervia desde 2011 e desempenhava a função de maquinista há cinco anos. Ele deixa mulher e dois filhos. Em nota, a empresa lamentou a morte de Rodrigo e informou que está prestando toda assistência à família do maquinista.
O acidente teve pelo menos outras oito vítimas. Elas foram resgatadas com ferimentos leves e encaminhadas para hospitais da região, mas todas já foram liberadas.
As causas do acidente são investigadas pela Polícia Civil, que já fez perícia no local da colisão. A Supervia também instaurou sindicância para apurar as causas do acidente e que os resultados vão ser divulgados em até 30 dias.
Além disso, a concessionária assinou Termo de Ajustamento de Conduta com a Defensoria Pública do Estado do Rio, para oferecer reparação individual e coletiva pelos danos causados pelo acidente.
De acordo com a Defensoria, o acordo prevê o custeio integral de tratamento médico, fisioterápico e psicológico para todas as vítimas, além de indenização.
A Supervia também terá que fornecer 30 mil bilhetes gratuitos para os passageiros do ramal Deodoro. Os critérios de distribuirão ainda vão ser definidos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia