Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 28 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

meio ambiente

Alterada em 28/01 às 11h14min

Equipes de busca localizam segundo ônibus submerso na lama

O acesso ao local, entretanto, ainda não é possível

O acesso ao local, entretanto, ainda não é possível


Mauro Pimentel/AFP/JC
Agência Brasil
As equipes de busca que trabalham em Brumadinho (MG), onde uma barragem da mineradora Vale se rompeu, localizaram um segundo ônibus submerso em meio à lama de rejeitos. O acesso ao local, entretanto, ainda não é possível. "Não temos confirmação do número de mortos que vamos encontrar no interior desse veículo", informou o porta-voz do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais, tenente Pedro Aihara.
Segundo ele, uma vez que o acesso ao ônibus for aberto, as equipes precisam estabilizar o local com tapumes e fazer o escoramento correto para só então dar início à retirada das vítimas. "Se não, no momento em que a gente está acessando, pela própria característica da lama, às vezes, ela invade [o ônibus] e não possibilita o trabalho", explicou. No último sábado (28), um primeiro ônibus foi encontrado soterrado na lama e sem sobreviventes.
De acordo com o tenente, militares israelenses que se juntaram às equipes de busca brasileiras devem se concentrar, num primeiro momento, na região próxima ao local onde ficava a área administrativa da Vale, atingida pelos rejeitos. Ele lembrou que a possibilidade de o refeitório da mineradora, entre outras estruturas, ter se deslocado quilômetros à frente é grande, em razão da força da lama. "Recebeu a onda de impacto mais forte", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia