Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 14 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

transportes

14/01/2019 - 08h30min. Alterada em 14/01 às 11h09min

Motoristas de aplicativos protestam em Porto Alegre contra violência

Centenas de veículos se concentraram no Largo Zumbi dos Palmares antes de saírem em carreata

Centenas de veículos se concentraram no Largo Zumbi dos Palmares antes de saírem em carreata


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Lívia Rossa
Centenas de motoristas de aplicativos de transporte protestam, nesta segunda-feira (14), contra a violência em Porto Alegre e na Região Metropolitana. Os veículos se concentraram no Largo Zumbi dos Palmares por volta das cinco horas da manhã, no Centro Histórico, e saíram em carreata pelas ruas da Capital. Também em protesto, o serviço pelos aplicativos deve ficar paralisado por 24 horas em Porto Alegre.
Desde o final do ano, ao menos dois motoristas foram mortos. Para denunciar a insegurança, uma carreata saiu do local por volta das 8h30min, percorrendo pontos onde há sede de empresas dos aplicativos, como a avenida Sertório, a Terceira Perimetral e a avenida Padre Cacique. Os carros foram identificados com faixas e frases de "Luto" e pedindo o fim da violência.
A principal cobrança dos motoristas é que as empresas de aplicativos atuem com maior rigidez na identificação dos passageiros, além da definição prévia do endereço de destino das corridas. Para o Presidente da Liga dos Motoristas de Aplicativos Joe Moraes, os condutores "estão cansados" de serem submetidos à violência e exigem um cadastro mais completo dos passageiros. "Queremos que as plataformas enxerguem a realidade da insegurança que vivemos e sejam ajustadas", protesta Moraes.
Segundo o presidente da entidade, são inúmeros os casos de assaltos com lesões e até morte. Somente nos últimos seis meses, já são cinco assassinatos apurados envolvendo motoristas da categoria. Na madrugada desta segunda-feira (14), mais um motorista foi baleado em Gravataí, na Região Metropolitana. Mesmo com esses números, Moraes diz que as plataformas de aplicativo "não nos chamam nem para conversar". "As empresas fazem parcerias com o poder público projetos como a revitalização da Orla do Guaíba, mas não investem em seus servidores", denuncia.
A manifestação gera congestionamento em diversos trechos de Porto Alegre. Agentes da EPTC e da Brigada Militar acompanham a carreata para orientar o trânsito e a movimentação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia