Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 10 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

Edição impressa de 11/01/2019. Alterada em 11/01 às 01h00min

Brasil registra 10 mil casos de sarampo em um ano; Amazonas e Roraima têm surto

Mais de 10 mil casos de sarampo foram confirmados no Brasil, segundo balanço divulgado na quarta-feira pelo Ministério da Saúde. De acordo com o levantamento - entre o início de 2018 e 8 de janeiro de 2019 -, foram 10.274 registros confirmados, e dois estados estão com surtos da doença: Amazonas (9.778 casos confirmados) e Roraima (355). Mas, conforme a pasta, o número de novos casos está caindo.
Uma força-tarefa do Ministério da Saúde foi realizada para concluir ocorrências que estavam em investigação em Manaus, que tinha mais de 7 mil casos nessa situação. "Nas últimas semanas, houve diminuição na notificação de casos novos no Amazonas e em Roraima", diz a pasta. De acordo com o balanço, 12 pessoas morreram por causa da doença em três estados: seis no Amazonas, quatro em Roraima e duas no Pará.
O surto no País ocorreu no ano passado, e o vírus foi importado da Venezuela, onde a doença circula desde 2017. Casos isolados também foram registrados em outras partes do País, como Pará (61), Rio Grande do Sul (45), Rio de Janeiro (19), Pernambuco (quatro), Sergipe (quatro), São Paulo (três), Rondônia (dois), Bahia (dois) e Distrito Federal (um).
Os locais que registraram casos de sarampo receberam, segundo o ministério, 15,5 milhões de doses da vacina tríplice viral (contra sarampo, caxumba e rubéola) entre janeiro do ano passado e o mesmo período deste ano para intensificar campanhas, realizar vacinação de rotina e, ainda, para ações de bloqueio.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia